Prefeito de Queimadas é criticado após suspender repasses de dinheiro público para festas

936166_155507404630594_1575526664_nO prefeito de Queimadas Tarcísio de Oliveira Pedreira (PR) anunciou nesta quinta-feira (17), durante entrevista concedida a uma rádio local, a suspensão de recursos para realização de duas importantes festividades, programadas para acontecer nos próximos dias. O prefeito tentou justificar que a gestão “tem outras prioridades no momento”, e informou que tomou a decisão em decorrência das dificuldades financeiras enfrentadas pelo município.

O primeiro evento prejudicado pela decisão do gestor foi a festa secular que sucede os festejos em homenagem à Nossa Senhora das Dores, que seria realizada neste domingo (20), no Centro do distrito de Espanta Gado, com diversas atrações musicais. De acordo com a organização, a tradicional festa, que já é realizada há mais de três décadas, foi cancelada devido à falta de apoio do poder público. Quem também ficou no prejuízo com a decisão tomada pelo prefeito foi a comunidade evangélica, que realizará uma festa bem mais modesta no dia 26 de setembro, sem o apoio da prefeitura. O evento que marca a comemoração do Dia do Evangélico na cidade ocorre há cerca de 15 anos.

A decisão anunciada pelo prefeito causou polêmica e, revoltadas, autoridades políticas e eclesiásticas do município não pouparam críticas ao gestor. “Eu estou do lado dos evangélicos, e não concordo com a ação do prefeito. Se ele acha que vai ser alvo de ação de improbidade administrativa por parte do Ministério Público, por ajudar os evangélicos e a comunidade católica de Espanta Gado a realizar sua festa, qual a justificativa para gastos com festas anteriores, que não beneficiaram os cristãos?”, disse revoltado o vereador Mário Régis, após se reunir com prefeito Tarcísio na manhã desta sexta-feira (18), lembrando que cidades como Conceição do Coité e Santaluz também atravessam a crise, que afeta a maioria dos municípios brasileiros, mas mantiveram a tradição de apoiar eventos semelhantes.

Já o pastor Carlos Duarte, da Igreja Batista, disse que “dou um voto de confiança ao gestor, mas se nos próximos meses qualquer festa de cunho religioso, ou não, inclusive a Lavagem da Igreja de Santo Antônio [cuja suspensão também foi anunciada pelo prefeito], for realizada com apoio da prefeitura, a imagem do prefeito como também de qualquer outro político ligado ao mesmo, ficará suja diante dos evangélicos do município de Queimadas”.

As informações são do Notícias de Santaluz