Prefeito ignora reivindicações e professores de Uauá continuam em greve

greveprofuauaA greve dos professores de Uauá que teve início no dia 07 (quarta-feira) continua. Os professores reivindicam o reajuste do Piso Salarial da categoria de 8,32%, anunciado pelo MEC no fim de janeiro. O governo municipal alega não ter condições, porém está fazendo o que é possível financeiramente para chegar ao patamar do reajuste. Nesse intuito, elaborou duas propostas que foram rejeitadas pela categoria. Os professores não abrem mão do reajuste.

Segundo nota da Aplb-Uauá, a direção propôs à categoria um planejamento de mobilização tanto para sede quanto para o interior, no corpo a corpo com a comunidade com intuito de ouvi-las e explicar o porquê da greve. Conscientizando que a mesma lei que garante 200 dias letivos, garante aos professores valorização profissional, assim como a probabilidade do remanejamento do calendário escolar (reposição dos dias parados). Ratificando que a categoria tem consciência de repor os dias assim que o prefeito reajustar o salário dos mesmos. Externou ainda que a luta da categoria não é só pelo reajuste, mas por uma educação de qualidade, pontuando que foi feito de tudo para que a greve não acontecesse.

A diretoria da Aplb-Uauá parabenizou e agradeceu aos pais e alunos do maior povoado da cidade, Lagoa do Pires, pela receptividade na quinta-feira (08) e a comunidade das Populares (sede), na sexta-feira (09). Assim como aos parceiros da comunicação: blogs (da cidade e da região), TV São Francisco, Rádios (cidade e da região) e os carros de som.

Com informações da diretoria da Aplb-Uauá