Prefeitos de cidades baianas decidem aderir à mobilização que fechará prefeituras em abril

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.nrGkA25-2oPrefeitos de cidades baianas irão aderir ao movimento nacional que fechará diversas prefeituras do país no dia 11 de abril. A decisão ocorreu na tarde de terça-feira (4), quando gestores, presidentes de consórcios públicos e de associações regionais se reuniram na sede da União dos Municípios da Bahia (UPB) para defender a autonomia e a ampliação de recursos para as cidades. De acordo com a presidente da UPB e prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria Mendes, a reunião definiu o planejamento das ações para o ano de 2014 com atividades que têm o intuito de denunciar a crise financeira das administrações municipais. “Hoje, as prefeituras têm por obrigação legal a vinculação de 49% da receita gastos com demandas de educação, saúde, câmaras municipais e Pasep, sobra pouco para o prefeito ter a autonomia de investir em infraestrutura. Por esse motivo, estamos sistematicamente reivindicando uma maior fatia no bolo tributário”, disse Quitéria. Os prefeitos reivindicam do Congresso Nacional a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 39/2013, que amplia em dois pontos porcentuais os repasses ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Outro item cobrado é que sejam excluídos do índice de pessoal os gastos referentes às equipes que executam programas federais ligados à saúde, educação e assistência social. A presidente da UPB justifica que, com os aumentos salariais e o elevado número de programas federais que os municípios têm para executar, tornou-se impossível o cumprimento do limite de gastos com a folha (54% da receita) estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. (BN)