Presas por morte de irmão em hospital na BA disseram que vítima estava “salva e livre”

Uma testemunha contou à polícia que as mulheres presas por provocar a morte do irmão, ao desligar aparelhos que o mantinham vivo em hospital, disseram que ele estaria “salvo e livre”, enquanto cometiam ação. O caso aconteceu na cidade de Guanambi, no sudoeste da Bahia.

As informações foram confirmadas pela delegacia do município nesta segunda-feira (28). O caso aconteceu na noite de sexta-feira (25). Zelita Pereira Neves, 32 anos, e Marliete Pereira Neves, 41, que foram presas em flagrante, tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva pela Justiça.

foto
Foto reprodução

A testemunha, que acompanhava outro paciente, relatou ainda que uma das mulheres batia no peito da vítima, Almiro Pereira Neves, de 43 anos, enquanto a outra segurava a cabeça dele. As irmãs alegaram, em depoimento, que agiram após receber uma mensagem de Deus, em uma oração.

mulheres presas por desligar aparelhos de irmao em hospital
Foto reprodução

Ainda em depoimento na delegacia da cidade, Zelita e Marliete disseram que agiram após ordem do pastor da igreja em que congregam. Esse pastor estava do lado de fora do hospital, antes das duas entrarem na unidade de saúde.

O pastor estava acompanhado de um outro irmão das suspeitas, que também foi levado para a delegacia da cidade. A polícia não detalhou se esse irmão ficou preso, nem se o pastor será intimado a prestar depoimento.

A vítima estava internada em estado grave desde o dia 21 deste mês, após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Não há informações sobre o sepultamento de Almiro. (G1/BA)