Projeto Semeando Ciência oferece formação profissional para jovens

    image_previewPromover a capacitação técnico-profissional de 400 jovens entre 16 e 24 anos dos bairros do Calabar, Nordeste de Amaralina e Fazenda Coutos, em Salvador, além de Lauro de Freitas e Simões Filho, na região metropolitana. É o que vai fazer o projeto Semeando Ciência no Pacto pela Vida, que tem o objetivo de atender a juventude das comunidades próximas às bases comunitárias de segurança.

    No lançamento, realizado nesta segunda-feira (11), no bairro da Lapinha, foi anunciado o convênio internacional entre o Governo da Bahia, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), a União Europeia (UE) e a AVSI Nordeste, ONG ligada à Fundação AVSI, da Itália. O contrato prevê investimentos de R$ 7 milhões na realização de cursos para a inserção dos jovens no mercado de trabalho.

    A cooperação entre o governo baiano e a UE, com apoio do governo italiano, tem o propósito de promover a redução da pobreza urbana e a prevenção da violência entre os jovens das áreas atendidas pelas bases comunitárias de segurança, uma das ações do programa Pacto pela Vida.

    “Acreditamos que, através da qualificação profissional e da melhoria da capacidade de geração de renda, podemos melhorar a situação dos jovens e inseri-los no mercado de trabalho”, afirmou a assessora do Programa de Cooperação da Delegação da UE, Denise Verdade.

    Para o diretor-geral da Fundação AVSI, Alberto Piatti, oferecer essa oportunidade a jovens de comunidades pobres é fundamental para o atual momento socioeconômico do Brasil. “Investir nesses jovens significa investir no desenvolvimento do país, que cresce do ponto de vista econômico. É preciso fortalecer a formação juvenil para acompanhar esse crescimento”.

    Prevenção às drogas

    Um dos sete projetos ligados a direitos humanos ou atores não estatais e autoridades locais apoiados pela Comunidade Europeia na Bahia, o Semeando Ciência oferece atividades de formação pedagógica, como o curso de formação básica em português, matemática e formação humana.

    Outras atividades do currículo são construção e atualização de website, produção de texto e elaboração de vídeo do projeto, além de uma pesquisa sobre prevenção de uso de drogas e malefícios da dependência química. As aulas acontecem nos centros digitais de cidadania (CDCs) das bases comunitárias de segurança.

    Protagonistas da história do próprio bairro

    “Produzindo áudio e textos acerca da realidade do bairro, os jovens podem comunicar toda a riqueza cultural, tornando-se protagonistas da história do próprio bairro”, disse a secretária de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, Mara Moraes.

    No segundo semestre de 2012, a etapa anterior, quando o projeto se chamava Semente de Ciência, capacitou 194 jovens por meio de cursos como suporte ao usuário de informática, edição de vídeo para internet e desenvolvimento de software. Uma das participantes, Maíra Santos disse que se sente mais preparada para o mercado de trabalho. “Posso conseguir um emprego através do que aprendi no curso, que foi uma grande oportunidade”.