Protesto – Mulher é detida após atirar copo em Jaques Wagner

    haesteamCom bandeiras, gritos de ordens, vaias e inúmeros protestos, os soteropolitanos foram às ruas para o cortejo em comemoração à Independência da Bahia. Por volta das 6h da manhã, uma alvorada de fogos de artifícios marcou o dia que celebra a data magna na Bahia, na Lapinha.

    O cortejo entre a Lapinha e o Terreiro de Jesus teve início após o hasteamento da bandeira do Brasil com o governador Jaques Wagner (PT) e o prefeito ACM Neto (DEM).

    “Essa á uma festa do povo, que vai às ruas celebrar a história e homenagear os heróis da Independência. O civismo sempre foi o tom dessa festa, e esse ano ainda mais, por conta das manifestações e do clamor que vem das ruas”, disse ACM Neto. “Quem está no poder precisa ter atenção ao que está acontecendo. Temos de buscar entender o recado das ruas e aperfeiçoar ainda mais as práticas de governo”, acrescentou.

    Em seguida, autoridades colocaram flores no monumento ao General Labatut. A festa segue com a entrega dos Carros Emblemáticos e a execução do Hino ao 2 de Julho. No trajeto, homenagens aos Heróis da Independência, críticas a políticos e reivindicações.

    Copo contra Jaques Wagner
    Uma mulher ficou temporariamente detida após acertar o governador Jaques Wagner com um copo. Michele Perrone, 34 anos, lançou um copo plástico contendo água em direção ao governador durante a passagem pelo cortejo. O copo acertou um funcionário da Casa Civil e no governador.

    Policiais do Batalhão de Choque identificaram a mulher e a conduziram até um local afastado da comitiva de Jaques Wagner alertando que iriam prendê-la. Imprensa e manifestantes cercaram os policiais, que não sabiam em qual crime enquadrar a mulher. Após alguns minutos de confusão, a mulher foi liberada e Jaques Wagner seguiu o cortejo.

    Servidores do município, que estão em greve por maiores salários, protestaram por melhorias de salário e de trabalho. Os médicos reclamam da política de importação de médicos sem a necessidade da submissão ao teste do Revalida para atuar em solo nacional.

    Organizados por meio das redes sociais, o Movimento Passe Livre marcou presença no cortejo do 2 de Julho com cartazes com críticas à organização de eventos esportivos no Brasil, como a Copa das Confederações, além de redução na tarifa de ônibus.

    Integrantes dos movimentos feministas realizam a Marcha das Vadias que tentam derrubar o projeto do Estatuto do Nascituro, que tramita no Congresso Nacional e proíbe o aborto mesmo em situações de estupro.

    Gays e militantes de movimentos LGBTT também levam bandeiras contra a iniciativa de parlamentares da ‘Cura Gay’. Projeto revoga dispositivos de resolução do Conselho Federal de Psicologia, em vigor desde 1999, que hoje impedem tratamentos que tentem mudar a orientação sexual dos pacientes.

    As informações são do Correio