Rodoviária de Conceição do Coité vira uma pocilga

    20130724073942_rod2-460O que já foi considerado um cartão de visita do município, hoje, o terminal rodoviário de Conceição do Coité, construído em 1987, pelo ex-governador João Durval Carneiro, não passa de um verdadeiro antro de desocupados e marginais– lugar de perdição e viciados em drogas -, tudo que não presta está ali! Com as instalações hidráulicas dos banheiros quebrados, vidraças, pias e vasos sanitários destruídos, as necessidades das pessoas são feitas no chão, o que tem deixado terrível mau cheiro no local.

    O terminal que já sediou importantes departamentos do poder municipal, em gestões anteriores, agora vem servindo, também, de passarela e de pastagem de animais, um retrato desagradável e agressivo aos olhares de quem chega a esta parte da cidade. Verdadeiro cenário de um filme devastador, com apenas uma explicação: abandono do poder público estadual, irmanado ao silêncio do governo local e da Justiça. Para quem chega à Rainha do Sisal, o terminal Rodoviário de Coité é um péssimo cartão de apresentação da cidade.

    20130724073920_rod-460Agora, a rodoviária, serve de dormitórios de mendigos, consumidores de drogas e abrigo de prostituição. O forte odor provocado pelos banheiros que tiveram os vasos sanitários, pias e bica masculina destruídos, entre outras dependências que tiveram as vidraças e portas quebradas, é insuportável, porque vândalos e desocupados usam o espaço para fazem suas necessidades em meio ao chão e sem receber qualquer tipo de limpeza por parte da prefeitura, a situação só não ficava pior porque os mendigos que dormiam no terminal faziam a limpeza da área quando populares doavam produtos de higiene.

    O responsável pelo setor de limpeza pública da cidade, Paulo Crisostome de Almeida, disse à reportagem do site Diário do Sisal e da Tribuna da Bahia, que a prefeitura não tem obrigação de fazer a limpeza do terminal porque o imóvel não pertence ao município e sim ao estado, esquecendo que o prefeito de Coité, Francisco de Assis é petista, como é o governador Jaques Wagner. A falta de segurança no local, também faz com que os guichês das empresas São Matheus, São Geraldo e Gontijo funcionem apenas até às 18 horas, mesmo estando ao lado da Delegacia de Polícia.

    “É uma pena que um patrimônio tão importante e valioso como esse esteja se acabando dessa forma por falta de manutenção dos poderes públicos. Isso aqui é um caos, falta tudo, principalmente proteção às pessoas. Acredito que na parte da noite, esse lugar deva ser muito perigoso, um suicídio. Só quem não tem amor à vida é quem deve vir aqui. Eu é que não me arrisco em pegar transporte depois das 19 horas”, relata o viajante Ambrósio Justiniano Cerqueira, durante a compra de uma passagem para Salvador.

    Fonte: Pedro Oliveira / Tribuna da Bahia (Sucursal Regional do Sisal)