Saiba como chegam as principais seleções para a Copa América

Depois de passar por uma série de tribulações, a Copa América teve o seu pontapé inicial na noite deste domingo (13) no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O Brasil venceu a Venezuela por 3 a 0 no jogo de abertura. Na mesma noite, Colômbia derrotou o Equador por 1 a 0 na Arena Pantanal, em Cuiabá. Participam da competição todas as dez seleções filiadas à Conmebol, a confederação sul-americana que, por sua vez, é filiada à Fifa. Podem ser consideradas candidatas ao título do torneio as três campeãs mundiais da América do Sul – Brasil, Argentina e Uruguai – e a Colômbia, que, nas duas últimas edições da Copa do Mundo, obteve um ótimo desempenho. 

Mesmo com diversas polêmicas a Copa América no Brasil já começou – Fonte: Wikimedia Commons
Mesmo com diversas polêmicas a Copa América no Brasil já começou – Fonte: Wikimedia Commons

Porém, as polêmicas políticas e sanitárias por trás desta edição tornam ainda mais difícil fazer predições. Algumas das formas de colocar os palpites em prática são fazer um bolão com os amigos e apostar em um site de apostas – como no bet365, começando com um bet365 cadastro. 

As quatro principais seleções sul-americanas 

As dez seleções estão divididas em dois grupos de cinco times. Argentina e Uruguai estão no grupo A, junto a Chile, Paraguai e Bolívia. A Argentina possui um dos melhores retrospectos nas últimas edições da Copa América. Nas seis edições mais recentes, a seleção de Lionel Messi foi vice-campeã quatro vezes e ficou em terceiro lugar uma vez. 

Mas faltou vencer uma edição. Por isso, na Copa América que iniciou neste domingo, as atenções estão voltadas para Messi. Esta edição deve ser a última com o astro argentino em campo e, portanto, a última oportunidade para que ele acrescente um título de Copa América ao seu currículo. 

Além de Messi, outros veteranos ainda compõem a seleção argentina, como Sergio Agüero e Ángel Di María. Mas há também nomes jovens e promissores, como Lautaro Martínez, goleador da Internazionale, e Leandro Paredes. 

Uruguai 

O Uruguai é a seleção com o maior número de taças da Copa América – 15 ao total. A última vez que os uruguaios venceram o torneio foi em 2011. Desde então, nunca passou das quartas de final. O técnico do Uruguai ainda é o mesmo do quarto lugar na Copa do Mundo de 2010 e da Copa América de 2011, Oscar Tabárez. Alguns dos ídolos daquela geração ainda estão na seleção, como Luis Suárez. Na Copa de 2018, a seleção bateu a poderosa Portugal. 

Brasil 

Brasil e Colômbia estão no grupo B, assim como Peru, Equador e Venezuela. A seleção brasileira é favorita não apenas para ficar em primeiro lugar no seu grupo como, também, para conquistar, de novo, o título da Copa América – e, de novo, em casa. A edição anterior, em 2019, foi vencida pelo Brasil no Maracanã – 3 a 1 sobre o Peru. 

Com o técnico Tite no comando desde 2016, o Brasil parece ter superado anos de uma fase irregular – capaz de atropelar um adversário como a Colômbia e, no jogo seguinte, sofrer uma goleada de 7 a 1 para a Alemanha. 

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, o Brasil tem, até agora, 100% de aproveitamento e a invejável marca de 16 gols marcados e apenas dois sofridos. Seus goleiros, Ederson e Alisson, estão entre os melhores do mundo. No ataque, além de Neymar, existem boas opções – Gabigol, Gabriel Jesus, Richarlison e Éverton. 

Colômbia 

A principal manchete sobre a seleção colombiana às vésperas desta Copa América é a ausência de James Rodríguez e de Falcao García na escalação feita pelo técnico Reinaldo Rueda. James se recupera de uma lesão na panturrilha, e Rueda não quis se arriscar. Em comunicado, James se mostrou decepcionado com o técnico e afirmou que se sentia capaz de atingir um bom desempenho. García se recupera de uma lesão no rosto. Com os desfalques, Rueda conta com o meia Guillermo Cuadrado e os atacantes Duván Zapata e Luis Muriel.