Salvador – Em 4 meses da gestão de ACM Neto sobram quase R$ 500 milhões

    Prefeit41Nem nas expectativas mais otimistas o Palácio Thomé de Souza deve ter conseguido prever os números apresentados nessa quinta-feira (13/6) pelo secretário da Fazenda (Sefaz), Mauro Ricardo Costa, no relatório do primeiro quadrimestre da administração do prefeito ACM Neto (DEM).

    Segundo o secretário, as contas da prefeitura de Salvador tendem ao equilíbrio, após haver um superávit financeiro de R$ 498 milhões, superando a meta estabelecida pela prefeitura para o período entre janeiro e abril de 2013. Os dados sugerem que houve crescimento de 8,8% em relação ao mesmo período do ano passado, o que equivale a um montante de aproximadamente R$ 120 milhões. Entre as despesas correntes liquidadas, foi constatada uma redução total de 6,7% de janeiro a abril deste ano também em relação ao mesmo período de 2012. Os gastos com pessoal e encargos, entretanto, preocupam o Executivo soteropolitano, pois comprometeram 17,3% do orçamento da prefeitura.

    “Está nos causando um significativo impacto. Ao invés de cortar com os gastos com pessoal, estamos investindo para aumentar a arrecadação do município”, afirmou o titular da Fazenda. Para o presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização da Câmara, Cláudio Tinoco (DEM), responsável pela audiência pública prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal, o relatório do quadrimestre superou as expectativas. “É muito comum os secretários se aterem a números, mas o secretário Mauro Ricardo dividiu o tempo entre o diagnóstico e as ações que vêm sendo desenvolvidas e os números”, relatou Tinoco.

    Ainda que os dados sejam melhores que o esperado, Tinoco manifestou a preocupação compartilhada pelo titular da Sefaz com o passivo do município. “O quadro é de muita preocupação. A dívida do município chega a R$ 3,5 bilhões”, citou. Outra integrante do colegiado, a vereadora Aladilce Souza (PCdoB) reclamou que “o fato de ser superavitário não nos dá tranquilidade, pelo contrário”. Segundo a comunista, pontos como o não cumprimento do percentual mínimo com educação e a ausência de um cronograma para o pagamento das dívidas deixou a oposição em alerta. “Não está estabelecido quando Salvador vai honrar com as dívidas que tem”, exemplificou a oposicionista. Tinoco rebateu a crítica sobre o setor da educação. “O relatório é apenas do primeiro quadrimestre. Há uma sazonalidade na receita. É natural que no segundo semestre e no último quadrimestre a liquidação na área de educação seja maior”, defendeu o democrata. (TB)