Tempos de Violência – Bahia registrou mil mortes a mais em 2012 do que no ano anterior

    650x375_1323968Sozinhos, os números relacionados com crimes são quase sempre muito frios. Mas não quando eles revelam um aumento de mais de mil homicídios no período de um ano na Bahia — 781 deles no interior. Os dados, computados pelo CORREIO a partir de balanços divulgados recentemente pela própria Secretaria da Segurança Pública (SSP), detalham uma escalada de homicídios no estado de 2011 para 2012.

    Foram 5,7 mil assassinatos registrados pela SSP em 2012, contra 4,6 mil em 2011. Esses dados nos colocam, em números absolutos, à frente, inclusive, de estados como São Paulo — que com uma população de 49 milhões de habitantes (quase três vezes a da Bahia), somou 4,8 mil mortes —, Rio de Janeiro (4 mil mortes) e Minas Gerais (3,9 mil).  Em números relativos, a Bahia registra uma taxa de 58,2 homicídios por 100 mil habitantes, enquanto a média nacional é de 22,7.

    Em toda a Bahia, o aumento de homicídios foi de 23%. O crescimento teve contribuição decisiva dos municípios do interior, onde as   mortes cresceram 30%. Em Salvador e Região Metropolitana (RMS), o índice ficou em 14%.

    Os dados foram analisados com base nos boletins anuais das Coordenadorias Regionais do Interior (Coorpins), da Polícia Civil, divulgados no site da SSP mês passado. Nestes boletins, todavia, não estão presentes 27 municípios, que possuem, somados, a população de 362 mil habitantes.

    RTEmagicC_interiormais-violento.jpgParaísos  Com índice de 101 homicídios por 100 mil habitantes, o município mais violento entre os maiores centros urbanos do interior é um destino turístico dos mais famosos no Brasil. Em Porto Seguro, Extremo Sul do estado, foram mortas 133 pessoas em 2012. A cidade também registrou aumento no número de homicídios de 10% comparado a 2011. Porto Seguro sustenta ainda o maior índice de estupros entre as maiores cidades (58 casos), além de ser a 4ª colocada em usuários de drogas.

    No entanto, a violência que antes ficava restrita a Porto Seguro se espalhou por vizinhos igualmente turísticos. Antes tranquilas, localidades como Alcobaça, Caravelas, Prado, Ibirapuã, Mucurí e Medeiros Neto, onde em 2011 não se registrou sequer um homicídio, viram 56 pessoas perderem a vida de forma violenta.

    Microrregião
    Por outro lado, enhum outro município do estado viu crescer tanto os assassinatos quanto Ituberá, no Baixo Sul. De apenas um homicídio registrado em 2011 foi para 28 em 2012. Ituberá aparece na segunda colocação entre os maiores índices de mortes violentas, com 104 homicídios/100 mil habitantes.

    A escalada de violência na cidade mostra que subiram também os índices de tentativa de homicídio (de 4 para 12), de estupro (de 4 para 7), e de roubo e furto de veículos (de 9 para 15). A violência em Ituberá contagia toda a microrregião de Valença, da qual faz parte. Os dez municípios da região, somados, registraram aumento de 72% nos homicídios (de 90 para 155). Sem Ituberá, o aumento fica em 42%.

    Greve
    O secretário de Segurança Pública do Estado, Maurício Barbosa, atribuiu a disparada na violência no ano passado à greve da Polícia Militar, que aconteceu em fevereiro e durou 12 dias. “Desestabilizou nossa politica de segurança por uns quatro a cinco meses. Sofremos efeitos devastadores”, justificou. Neste período pós-greve, segundo Barbosa, os índices de violência continuaram a aumentar porque os comandos no interior do estado estavam desorganizados. “Foi o tempo para colocar as coisas em ordem, o pessoal para trabalhar com vontade”, disse.

    O secretário observou ainda que, na microrregião de Porto Seguro, o surgimento da violência onde antes reinava a paz estaria atrelado à migração de traficantes de municípios como Itabuna e Teixeira de Freitas. “Há uma migração. Em Itabuna fizemos operação um ano investigando duas facções que tinham domínio na  região Sul do estado toda. Fizemos uma limpeza, colocamos presos em presídios federais. Então, os grupos criminosos expandem seus negócios para municípios menores”, disse.

    As informações são do *Correio 24 Horas