Terremoto de 4,6 de magnitude deixa moradores do recôncavo baiano em pânico

Um terremoto de magnitude 4,6 foi registrado na Bahia, na região da cidade de Mutuípe, que fica no Vale do Jiquiriçá, na manhã deste domingo (30), segundo cálculos do Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Moradores de várias cidades do estado, como Amargosa, Castro Alves, São Miguel das Matas e Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo Baiano, relataram o impacto do terremoto. Em Salvador, os tremores também foram sentidos. Não há registro de feridos.

Amargosa ba
Amargosa-Bahia

O G1 entrou em contato com Aderson Nascimento, coordenador do Laboratório de Sismologia da UFRN, que faz o monitoramento dos fenômenos. Ele explicou que esse terremoto teve alta magnitude e também pôde ser sentido em Salvador.

“A gente fez uma análise preliminar e esse evento maior foi registrado pela rede mundial, foi de magnitude 4,6, a 6 km a sul para sudoeste de Mutuípe. Salvador fica a pouco menos de 100 km de Mutuípe e, com essa magnitude, ele certamente foi sentido em Salvador. Ele foi registrado em todas as estações da rede sismográfica brasileira, que a gente tem financiada pelo Serviço Geológico Brasileiro”, detalhou Aderson.

Ainda não há detalhes do que causou os tremores. No site do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), constam dois registros de terremotos nas regiões de Amargosa e São Miguel das Matas, com magnitudes de 4,2 e 3,7 respectivamente.

Os relatos dos moradores indicam que o primeiro tremor, o mais forte, começou pouco antes das 8h e durou cerca de 20 segundos. Depois, uma nova trepidação, desta vez mais branda, por volta das 8h20. Veja depoimentos abaixo:

Amargosa – Daniele Andrade
“Eu estava dormindo e de repente eu comecei a sentir o tremor. Eu acordei assustada e imediatamente peguei minha filha e fiquei embaixo da mesa. Durou uns 14 a 20 segundos, foi curto mais parecia uma eternidade. Eu nunca tinha passado por isso. Já ouvi relatos de tremores de terra aqui em Amargosa, mas é a primeira vez que eu sinto. Agora a gente está em alerta”.

Castro Alves – Leandro Alves
“Foi um abalo forte, nunca teve um impacto desse aqui na cidade. Eu estava me arrumando para ir para o trabalho, e aí eu fui surpreendido quando saí do banheiro. Minha mãe pensou que foi a laje aqui de casa caindo. Quando a gente foi se deparar, era a terra tremendo. Não tinha ninguém na rua. Foi um susto muito grande. Aqui também tremeu duas vezes”.

Mutuípe – Valdir Dika
“Estávamos dormindo, aí a gente acordou com um barulho ensurdecedor, a terra tremendo, vidraça chacoalhando. Foi como se tivesse um caminhão ligado em cima do telhado. Depois passou e voltou a tremer de novo. Foi uma coisa sinistra. Nossa reação foi só abraçar nossa filha. É uma sensação incrível, de que tudo ia desabar. Sensação de pânico mesmo, pessoas gritando na rua. Eu já tinha presenciado outros tremores aqui, mas igual a esse não”.

Santo Antônio de Jesus – Sâmila Freitas
“Eu tinha acabado de acordar, porque meu filho chorou e eu fui olhar ele. Quando peguei ele no colo, senti a terra tremer e um estrondo. Eu nunca tinha visto isso aqui. Foi forte, parecia alguma coisa batendo muito alto”.

Salvador – Adriana Vigas
“Eu sou [do bairro] de Narandiba. Também senti o tremor. De início, eu pensei que era algum carro passando na rua, alguma coisa assim mais forte. Depois que eu percebi que era o chão tremendo mesmo. Foi uma coisa que não dá para explicar, fiquei com medo da casa cair”.

Outros tremores na Bahia
Há cerca de 10 dias, moradores de Cachoeira, que também fica no recôncavo baiano, também relataram tremores de terra. O Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) informou que o fenômeno ocorreu na cidade de São Félix, vizinha a Cachoeira, e teve magnitude de 1.6 mR.

No mês de julho, um terremoto de 3,5 de magnitude foi registrado na região do litoral sul da Bahia. O tremor aconteceu na altura da cidade de Ilhéus e também foi registrado por sismólogos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que fazem o monitoramento.

Fonte: G1/BA