Tesoureiro do PT é preso pela Polícia Federal após desvio de milhões para o partido

14270459O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi preso nesta quarta-feira (15) pela Polícia Federal em sua casa, em São Paulo. Secretário de Finanças do partido, o petista nega envolvimento no esquema de corrupção que atingiu a Petrobras nos últimos anos.

Vaccari vai ser deslocado pela polícia para a sede da PF em Curitiba, que conduz as investigações.

Investigação do MPF (Ministério Público Federal) e da PF (Polícia Federal) aponta que o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, desviava recursos para o partido desde 2004. Vaccari foi preso na manhã desta quarta-feira (15) em São Paulo em nova etapa da Operação Lava Jato.

“Já sabíamos que doações oficiais na verdade escondiam operações de lavagem de dinheiro. Nós verificamos que Vaccari tem uma trajetória desse tipo de operação desde 2004”, afirmou o procurador de Justiça Carlos Fernandes Santos Lima, em entrevista coletiva em Curitiba na manhã de hoje.

“Essa situação reiterada de veiculação a partido político em suas operações financeiras foi que nos levou a acreditar na necessidade de sua prisão”, explicou o delegado da PF Igor Romário de Paula.

Segundo o delegado, Vaccari foi preso por volta das 6h, quando saía de casa para caminhar. Ele está sendo levado de São Paulo para Curitiba, aonde deve chegar ainda na manhã de hoje. Ele será conduzido para a carceragem da PF. Ainda não há previsão de quando ele deve prestar depoimento, informou o delegado.

De acordo com o procurador de Justiça, foram descobertos depósitos de mais de R$ 300 mil ao longo de três anos em contas de Vaccari.

A nova etapa da operação Lava Jato também cumpriu mandado de condução coercitiva de Giselda Rose de Lima, mulher do tesoureiro. Segundo o delegado da PF, ela prestou depoimento em sua casa. “A informação que tenho é que não foi proveitoso para a investigação”, revelou o delegado.

A PF também cumpriu mandado de prisão temporária contra Marice Correia de Lima, cunhada de Vaccari, que não foi localizada até o momento. A polícia e o MP querem a prisão dela por “operar junto com Vaccari operações de doações partidárias ilegais e operações financeiras relativas à Petrobras”, explicou o delegado.

Vaccari na CPI
Na semana passada, Vaccari prestou depoimento à CPI da Petrobras, em uma sessão que ficou marcada pela por um tumulto após alguém soltar roedores. Na ocasião, o tesoureiro afirmou que conhece o doleiro Alberto Youssef, preso por envolvimento em um esquema de corrupção envolvendo a estatal, mas negou que tenha uma relação próxima com ele.

Vaccari também declarou que sua permanência na secretaria finanças depende do partido. “A decisão de estar na secretaria de finanças do PT não pertence a mim, mas ao diretório nacional do partido. Essa decisão será discutida e terá resultado.”