Tragédia: irmãs de 8 e 9 anos morrem abraçadas durante incêndio no Nordeste

tragediaA morte de duas crianças durante um incêndio no Nordeste comoveu o país essa semana, duas irmãs, de 8 e 9 anos, morreram carbonizadas na noite da última quarta-feira (8) após um incêndio em uma casa na comunidade Riachinho, no bairro Treze de Maio, em João Pessoa.

Conforme informações do Corpo de Bombeiros, as duas meninas estavam dormindo no quarto da casa quando o fogo começou, enquanto a mãe, Cibele Campos de Oliveira, de 26 anos, e um irmão delas, de seis anos, dormiam na sala. As duas meninas não conseguiram fugir e morreram abraçadas no quarto.

incendio-irmas-abracadasDe acordo com a mãe das meninas, Cibele Campos, uma vela estava acesa no quarto das meninas porque o abastecimento de energia elétrica havia sido cortado por falta de pagamento. “Eu tinha pedido dinheiro para o pai das meninas para pagar a conta, mas ele não queria dar”, comentou. A suspeita dos Bombeiros é de que o gato de estimação tenha batido na vela acesa no quarto das meninas e provocado o incêndio.

As chamas se espalharam e destruíram parte da casa. Os vizinhos controlaram o fogo, arrombaram a porta e ajudaram a resgatar Cibele e o filho caçula, Em entrevista à TV Cabo Branco na manhã desta quinta-feira (9), Cibele Campos relatou que a irmã mais velha, que dormia no quarto com a mais nova, chegou a pedir para que a vela fosse apagada.

tzzAjuda
Segundo Cibele, que trabalha como empregada doméstica, ela chegou a pedir ajuda ao pai das crianças para quitar o débito com a concessionária de energiada Paraíba, a Energisa, mas ele não pode deixar o dinheiro.

Por causa do uso das velas com os filhos pequenos em casa, Cibele afirma que pediu à ex-sogra que passasse um tempo com as crianças até que a energia elétrica fosse religada, mas também não conseguiu ajuda.

“Pedi a minha ex-sogra para levar meus três filhos para lá, porque eu não queria ficar com eles dentro de casa usando vela perto deles. Não queria deixar meus filhos lá. Foram encher a cabeça dela, dizendo que eu só vivia andando no meio do mundo. Eu não tinha condições de pagar [a contra de luz], eu não tinha condição de nada. Era para eu pagar”, lamentou a empregada doméstica.

O pai das meninas mortas no incêndio, Joelson Mendes da Silva, disse que a dívida com a Energisa era de R$ 350. Segundo ele, que trabalha cuidando de um idoso, não havia condições de pagar as contas em atraso.

Fonte: G1/PB (Fotos: Walter Paparazzo)