Tremor de Terra leva pânico e medo a moradores de cinco cidades baianas

miniUm tremor de terra assustou a população na madrugada desta sexta-feira (6), no Sudoeste do estado. O Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) e a Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec) registraram o tremor na cidade de Iguaí, à 1h20. O abalo, de 3,16 graus na escala Richter, foi sentido ainda nos municípios de Firmino Alves, Nova Canaã, Itoróró e Ibicuí.

Segundo o coordenador de Ações Estratégicas da Sudec, Paulo Sérgio Menezes Luz, este foi o primeiro acidente do tipo registrado na região. Apesar de ser considerado de pequenas proporções, o tremor provocou rachaduras em pisos, paredes e queda de muros em algumas residências. Não houve vítimas.

Ainda de acordo com o coordenador, a causa mais provável do tremor foi a acomodação natural de terra, em virtude da falta de chuvas. “Como está chovendo pouco, os lençóis freáticos ficam menos preenchidos e a terra precisa se acomodar”, disse Paulo Menezes.

O digitador Marques Humberto, 28 anos, morador da cidade de Iguaí, viu o chão e o forro da sua residência tremendo no momento do abalo. “Fui acordado pelo minha esposa no momento do tremor, ela estava bastante assustada com o que estava acontecendo. Felizmente, nada mais grave aconteceu”, disse Humberto.

A Sudec não descarta a possibilidade de que novos tremores voltem a acontecer. No entanto, o órgão acredita que, havendo outros abalos, eles serão menores do que o sentido nesta sexta-feira. A superintendência informou ainda que está trabalhando no sentido de tranquilizar a população das cidades onde o pequeno terremoto foi sentido.

O maior tremor de terra já registrado no Brasil ocorreu em janeiro de 1955, em Mato Grosso, na Serra do Tombador. O terremoto alcançou 6,2 na escala Richter.

terremoto-medidor-300x194Escala Richter
Criada em 1935 pelo sismólogo americano Charles F. Richter, ela foi desenvolvida para medir a magnitude dos terremotos, ou seja quantificar a energia liberada no foco do terremoto. Richter utilizou como base dados coletados e previamente analisados em terremotos anteriormente registrados.

A escala se inicia no grau zero e é, teoricamente, infinita, porém, nunca foi registrado um terremoto igual ou superior a 10 graus. Em locais habitados, os terremotos podem os seguintes efeitos:

Inferiores a 3,5 graus: raramente são notados;
De 3,5 a 5,4 graus: geralmente sentido, mas raramente causa danos;
Entre 5,5 a 6 graus: provocam pequenos danos em edifícios bem estruturados, no entanto, seus efeitos são arrasadores em edifícios de estrutura precária;
De 6,1 a 6,9 graus: causa destruição em áreas de até 100 quilômetros de raio;
De 8 a 8,5 graus: é considerado um abalo fortíssimo, causando destruição da infraestrutura.
De 9 graus: destruição total.

Com informações são do Correio24Horas