Vencedora da Mega é orientada a sair de Teofilândia após prisão do filho

dsc01385A vencedora da Mega-Sena da Virada, cujo filho teria forjado o próprio sequestro, foi orientada pela polícia a deixar a cidade de Teofilândia, a 194 km de Salvador, na Bahia. O destino dela, que ganhou cerca de R$ 2 milhões no concurso federal, não pode ser revelado pela polícia.

A faxineira participou de um bolão com outros 21 funcionários do Hospital Municipal Waldemar Ferreira de Araújo e dividiu cerca de R$ 56 milhões.

O filho dela, Cristiano Araújo dos Santos, de 22 anos, e o amigo dele, Wellington Santos Oliveira, de 20 anos, que também teria participado do crime, moram em São Paulo e estão presos no Centro de Triagem de Jundiaí. De acordo com o delegado Getúlio Queiroz, a mãe de Cristiano acompanhou todo o processo na cidade até a prisão do filho. “Ela estava vivendo aqui durante o processo. A orientação nossa, no momento que o filho foi preso, foi que ela saísse da cidade. Até para evitar a exposição dela para a imprensa, para os moradores”, explica.

Segundo a polícia, Cristiano e Wellington fingiram o sequestro e pediram resgate no valor de R$ 300 mil. “No dia 23 de janeiro, nós fomos procurados pela mãe de Cristiano. Ela disse que tinha tomado conhecimento, através da namorada dele, que ele teria sido sequestrado. E os sequestradores estariam exigindo um resgate no valor de R$ 300 mil. Isso ocorreu por volta das 7h. Por volta das 20h do mesmo dia, o próprio Cristiano efetuou ligação para a mãe dele informando que um amigo teria penhorado uma casa, um carro e uma moto e efetuado o pagamento aos sequestradores e que agora ele precisaria reembolsar esse amigo, que no caso era Wellington”, relata o delegado.

Getúlio Queiroz revela que Cristiano contou também com a ajuda da namorada dele, da mãe dela, além da esposa de Wellington. “As mulheres faziam participação no abalo psicológico. Elas ligavam em tom choroso a todo momento para a mãe dele, dizendo que Cristiano sofria ameaça de Wellington. Cristiano também ligava e dizia que sofria ameaça, dizendo estar preocupado com a vida dele. Wellington ligava ameaçando, falando que ia matar Cristiano”.

A polícia desconfiou do caso e passou a acompanhar as ligações. De acordo com o delegado, a mãe de Cristiano foi orientava a realizar o pagamento do resgate no valor de R$ 60. “Nós já tínhamos o mandado de prisão. Autorizamos o depósito porque tinhamos certeza que ele não sacaria”, disse o delegado. A quantia deverá ser devolvida à mulher.

Segundo o delegado, o grupo, com exceção da namorada de Cristiano, que é menor de idade, irá responder por extorsão e formação de quadrilha. A previsão é que o inquérito seja concluído ainda nesta terça-feira (4).

As informações são do G1/BA