Vídeo: mais uma jovem dá à luz na recepção de hospital baiano, criança morre

vergonhaSão 3 minutos e 40 segundos de aflição. As imagens feitas por um aparelho celular mostram uma grávida em trabalho de parto na recepção do Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, no sul do estado.

O que se vê nesse curto espaço de tempo são cenas de verdadeiro horror vividas por Arleane Oliveira dos Santos, de 18 anos. Ela deu à luz ao filho dentro de uma lata de lixo da unidade hospitalar.

Sem nenhum tipo de atendimento por parte da equipe médica, a mulher aguardou por mais de três horas para ser atendida. Como o atendimento não veio, a criança terminou nascendo sem vida na recepção do hospital, o que provocou a revolta das pessoas que testemunharam o crime.

De acordo com o Diário Bahia, antes de chegar Hospital Manoel Novaes, a jovem peregrinou por três hospitais – um em Ibicaraí e dois em Itabuna, após a bolsa romper aos sete meses de gestação. Era por volta das 22 horas do dia 8 de junho, quando ela deu entrada no Hospital Arlete Maron, em Ibicaraí.

Para a reportagem, Danielle Rocha Pinheiro, amiga e acompanhante da moça, relatou que o médico nem examinou a gestante. Da porta mesmo, o profissional teria justificado que o hospital não tinha estrutura para partos de risco. Por este motivo, o obstetra a encaminhou para Itabuna.

Lá, a mulher foi levada em uma ambulância, para a Maternidade Ester Gomes (Mãe Pobre), onde foi submetida a um exame de toque. Porém, a enfermeira, constatando a gravidade, informou que o hospital não possuía UTI Neo-Natal.

Sentindo muitas dores, Arleane chegou ao Novaes. “Disseram que não tinha vaga e que era para a gente procurar outro hospital. Invadi a enfermaria, disse que minha amiga estava com sete meses, que estava perdendo líquido e que era parto de risco. Mesmo assim, não atenderam”, disse Danielle.

Willian Oliveira, responsável pelas imagens, descreveu em sua página no Facebook os momentos de desespero vividos pela jovem: “A gente já podia ver nitidamente metade dos pés da criança até os joelhos. Uma paciente, ouvindo os gritos de socorro, saiu da enfermaria e começou a tentar puxar a criança que estava nascendo. Saiu o tórax, mãos, ombro, e a criança estava se mexendo, mesmo com a mãe não tendo quase força. Todos viram o corpo da criança se debatendo por cerca de uns três minutos”, descreveu Willian que concluiu: “Quando saiu os pés da criança ao invés da cabeça, foi como um filme de terror na recepção daquele hospital”.

Por meio de nota, a Santa Casa de Misericórdia, mantenedora do Hospital Manoel Novaes, informou que o atendimento da gestante teria sido dificultado porque ela não apresentava um encaminhamento do médico que a atendeu em Ibicaraí. Ainda segundo a unidade, o ocorrido será averiguado e que teria dado todo o suporte necessário à paciente. (Bocão News)