Bahia terá mais secas e menos água no futuro, dizem especialistas

    139

    O cinema catástrofe, apesar da fantasia hollywoodiana, tem alertado sobre as consequências da interferência do homem no clima do planeta. Os altos índices de emissão de gases poluentes na atmosfera e a destruição de áreas verdes são sinais mais evidentes, e preocupantes, de como estamos provocando mudanças no clima que podem ocasionar em aumento da temperatura, menos chuvas e escassez de água para consumo.

    A comunidade científica em geral não acredita que filmes como “2012” estejam tão próximos de se tornar realidade. Mas, para pesquisadores, o sinal amarelo dos efeitos das mudanças climáticas já acendeu, inclusive na Bahia.

    De acordo com resultados do Relatório de Avaliação Nacional de Mudanças Climáticas, organizado pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) e divulgado em evento paralelo ao Rio + 20, a temperatura vai aumentar em média 4ºC em todo o país até o fim deste século. O documento alerta também para uma menor incidência de chuva no Nordeste.

    A mesma constatação é feita pela pesquisa do professor Fernando Genz, doutor em Geologia e membro do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Escola Politécnica da Ufba (Universidade Federal da Bahia). Segundo o estudo, a temperatura na Região Metropolitana de Salvador vai aumentar entre 1,1ºC e 1,5ºC até 2040 (em relação à média registrada entre 1961/1990). No interior do estado, a elevação média será de 2ºC no mesmo período.

    Entre 2041 e 2070, o aumento será de 2ºC a 3,5ºC. “Essas simulações levam em conta as emissões dos gases de efeito estufa e aerossóis e são baseadas nos cenários do relatório do IPCC (sigla em inglês para Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima)”, explica o pesquisador.  Nos estudos de Genz, as simulações de temperatura atuais são praticamente idênticas às medições reais. Portanto, o grau de acerto da pesquisa é grande.

    No cenário mais otimista, a partir de 2070 haverá uma estabilização no uso dos combustíveis fósseis, o que contribuiria para a diminuição do efeito estufa e, consequentemente, do aquecimento global. “Mas não estamos vendo nada nesse sentido. Pelo contrário. As emissões atuais registradas estão acima das simulações mais pessimistas. A situação é grave porque há resistências dos países mais poluidores em aderir a acordos ambientais”, diz Genz, citando exemplos dos Estados Unidos e da China.

    Impacto no litoral
    Além do aumento da temperatura, outro problema provocado pela interferência negativa do homem sobre o meio ambiente é a redução das precipitações, ou seja, das chuvas. Embora não haja estudo científico profundo apontando as causas da seca que castigou a Bahia e o Nordeste em 2012, a mais dura dos últimos 47 anos, os pesquisadores acreditam que o fenômeno é resultado das mudanças climáticas.

    Segundo dados do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema), nos últimos dez anos houve uma redução média de 268 milímetros de chuva em Salvador. A pesquisa do professor Fernando Genz aponta para um cenário ainda pior. “Essa redução deve ser de 10% no litoral a 20% na região mais seca entre 2011 e 2040. Já entre 2040 a 2070, ela será de até 50% no semiárido e 40% em outras regiões do estado. Isso seria bastante grave”, alerta.

    O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) tem  trabalhos que demonstram que  o Nordeste deve sofrer ainda mais com as próximas secas, graças ao aumento constante da temperatura, desertificação (quando o solo é transformado em deserto por ação humana ou processo natural), redução da quantidade de chuva e da umidade.

    Prevenção
    A pesquisa da engenheira ambiental Samara Fernanda da Silva sugere um controle maior dos recursos hídricos.  Ela afirma que o plano municipal de saneamento básico de Salvador, em fase de elaboração pela Secretaria de Transportes e Infraestrutura (Setin) continua desconsiderando o fenômeno das mudanças climáticas.

    O governo da Bahia também não tem planejamento voltado para os efeitos das mudanças climáticas na Bahia. Alguns estados brasileiros contam com apoio de instituições, como Embrapa, para desenvolver novas técnicas e equipamentos para enfrentar os desdobramentos do clima, inclusive na produção de alimentos.

    Nos EUA, pesquisas revelam que ondas de calor e outros eventos climáticos não aconteceriam se não fosse o aquecimento global. Cada vez é maior a crença da comunidade científica de que o aquecimento é uma doença que precisa ser tratada com urgência. Ou então, já vimos o que pode acontecer nas telas de cinema… (Informações do Correio/Foto: Portaldenoticias.net)

    ....

    Veja Também

    COMPARTILHAR