Quase 200 mil paulistas vivem na Bahia, aponta IBGE

    68

    Contrapondo os baianos que têm deixado o Estado para viver em terras paulistas, novos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados à reportagem de A TARDE, revelam que a maior população de não-baianos, que mora na Bahia, é natural do Estado de São Paulo. Conforme os números obtidos pelo Censo 2010, quase 200 mil paulistas arrumaram as malas e hoje moram em solo baiano.

    Além dos paulistas, o Censo revela que cerca de 134,3 mil pernambucanos e 109,4 mil mineiros firmaram moradia na Bahia. Ao todo, a região conta com cerca de 816 mil não-baianos, o que equivale a 5,8% das mais de 14 milhões de pessoas que moram no Estado.

    Do total de migrantes que estão na Bahia, 46,4% são naturais de outros Estados da região Nordeste; 4,9% da região Centro-Oeste; 4,3% da região Sul; e 1,6% da região Norte. Além disso, 1,6% dos moradores do Estado são imigrantes (pessoas que vieram de outro países).

    Opondo o preconceito relacionado à oposição Sudeste e Nordeste, o IBGE atesta que a maior população de não-nordestinos, que mora na Bahia, é formada por sudestinos. Conforme o Censo 2010, cerca de 45,6% dos não-baianos que moram no Estado nasceram nessa região brasileira. Esta porcentagem equivale a quase 400 mil pessoas.

    Do total de moradores da Bahia, cerca de 39,3 mil não tiveram a naturalidade especificada pelo Censo.

    De volta pra casa – Conforme o técnico do IBGE, Mardem Campos, as motivações de migração de quem sai da Bahia para São Paulo e de quem faz o caminho inverso são opostas.

    Segundo o especialista, na maioria dos casos, os baianos saem de suas cidades em busca de melhores oportunidades de emprego. No caso oposto, os paulistas que seguem para as cidades baianas estão, na maioria dos casos, voltando para as terras de suas famílias. “É uma espécie de rede social. As famílias vão para São Paulo em busca de trabalho, têm filhos no Estado e após alguns anos voltam para as suas cidades”, relatou Mardem.

    Além do movimento migratório de retorno do sudeste para o nordeste, o sociólogo e professor da Ufba, Ordep Serra, diz que o imaginário de alegria associado ao Estado pode influenciar esta migração. “Do ponto de vista do imaginário, a Bahia é um terra especial. Um lugar de alegria e de prazer. Já São Paulo, também sob esse imaginário, é local associado ao estresse e ao trabalho exaustivo. Talvez esses mitos colaborem de algumas forma com esse movimento migratório”, relata.

    Além dos aspectos relacionados ao imaginário popular, o sociólogo aborda que a falta de profissionais especializados em determinadas áreas de trabalho também são atrativos de migração. ” Há, por exemplo, um grande déficit de engenheiros no Estado. Por esse motivo, profissionais de outras regiões, incluindo São Paulo, acabam sendo contratados na Bahia”, relatou. (Veja mais no A Tarde)

    ....

    Veja Também

    COMPARTILHAR