Após denúncias, MP pede auditoria em contratos de prefeituras com cooperativas de saúde

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.LXfQ0lCgofO Ministério Público da Bahia (MP-BA) informou que irá solicitar auditoria no município de Araci e em todos os municípios citados por reportagem do último Fantástico, que revelou um esquema de cobrança de propina por representantes de três cooperativas de saúde com registro (Cooba, Coopersaúde e Coopermed) e outras duas sem registro para funcionar (Cooperlife e Pró-Saúde).

O diretor de comunicação do Conselho Regional de Medicina (Cremeb), Otávio Marambaia, disse ao jornal A Tarde que o órgão convocará os diretores técnicos das cooperativas registradas para investigar denúncias referentes à ausência de profissionais em postos e consultas “a jato” – algumas realizadas em cerca de um minuto. “Já temos sindicâncias abertas antes da reportagem para apurar denúncias envolvendo cooperativas.

Só que nos últimos meses têm aumentado”, relatou Marambaia. O Cremeb deverá encaminhar ainda, nos próximos 15 dias, uma lista de empresas que se passam por cooperativas e atuam em vários municípios do estado, apesar de não possuírem registro. De acordo com o diretor, as companhias podem responder por fraude, falsidade ideológica e crime contra a saúde. (BN)