Biomédica de Jacobina participa de estudo de vacina contra Covid-19 em Oxford

24

Um dos estudos que busca uma vacina contra a Covid-19 conta com a contribuição de uma biomédica baiana. Trata-se da pesquisa feita pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, que já aplicou testes em 10 mil voluntários no Reino Unido.

“Eu, como brasileira, também tenho muito orgulho de estar aqui, fazendo parte dessa equipe, para poder representar a minha pátria”, diz Alessandra Silva Coley, nascida em Jacobina.

alexandra1 693x445 1
Foto reprodução

A vacina estudada pela biomédica chega, neste mês de junho, à sua terceira fase: vai realizar testes em dois mil brasileiros no Rio de Janeiro e em São Paulo. O Brasil é o primeiro país fora do Reino Unido a começar a testar a eficácia da imunização contra o Sars-CoV-2.

“O objetivo, nesta fase, é só testar se, de fato, essa vacina é segura e que não vai causar nenhum efeito que, na verdade, seja pior do que o vírus. Então, a partir daí, é possível determinar qual é a melhor dose a ser dada e, agora na fase três, é a fase em que essa vacina é testada numa escala muito maior, num grupo de milhares de pessoas”, conta Alessandra.

A médica infectologista Clarissa Cerqueira explica que, mesmo que a vacina de Oxford seja eficaz na prevenção da doença, será preciso seguir alguns protocolos antes de realizar eventos que promovam grande circulação ou aglomeração de pessoas, como o carnaval, por exemplo.

“Para uma vacina, a nível populacional, ter efeito, a gente requer que 80% da população seja vacinada. Tem que ter agentes de saúde para fazer atendimento em domicílio; as pessoas têm que ir também em outros serviços de saúde para fazer a aplicação. Isso depende se a vacina vai ser disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde, se também vai ser disponibilizada pelo sistema privado”, alerta a infectologista.

Aprovado pela Anvisa

Para ser conduzido no Brasil, o procedimento foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com o apoio do Ministério da Saúde. Os voluntários serão pessoas na linha de frente do combate ao coronavírus, com uma chance maior de exposição ao Sars-CoV-2. Eles também não podem ter sido infectados em outra ocasião. Os resultados serão importantes para conhecer a segurança da vacina.

A busca pela vacina

Para chegar a uma vacina efetiva, os pesquisadores precisam percorrer diversas etapas para testar segurança e resposta imune. Primeiro há uma fase exploratória, com pesquisa e identificação de moléculas promissoras (antígenos). O segundo momento é de fase pré-clínica, em que ocorre a validação da vacina em organismos vivos, usando animais (ratos, por exemplo). Só então é chegada à fase clínica, em humanos, em três fases de testes:

Fase 1: avaliação preliminar com poucos voluntários adultos monitorados de perto;

Fase 2: testes em centenas de participantes que indicam informações sobre doses e horários que serão usados na fase 3. Pacientes são escolhidos de forma randomizada (aleatória) e são bem controlados;

Fase 3: ensaio em larga escala (com milhares de indivíduos) que precisa fornecer uma avaliação definitiva da eficácia/segurança e prever eventos adversos; só então há um registro sanitário.

Depois disso, as agências reguladoras precisam aprovar o produto, liberar a produção e distribuição. Das dez vacinas em testes em fase clínica, algumas aparecem em estágio mais avançado, como a desenvolvida por Oxford, em fase 3.

A vacina do Reino Unido é produzida a partir de um vírus (ChAdOx1), que é uma versão enfraquecida de um adenovírus que causa resfriado em chimpanzés. A esse imunizante foi adicionado material genético usado para produzir a proteína Spike do SARS-Cov-2 (que ele usa para invadir as células), induzindo a criação de anticorpos.

A empresa AstraZeneca fechou com EUA e Reino Unido para cuidar da produção em escala mundial. O CEO da farmacêutica disse à rede britânica BBC, no domingo (31), que a população pode ter acesso a 100 milhões de doses da vacina já em setembro.

Fonte: G1/BA