EDITORIAL .ANO V NÚMERO 233 – PROCURA-SE FREIO PARA LÍNGUA

Por Florisvaldo -2 de maio de 2021

Sempre que não se encontra no mercado comercial aquele produto de que tanto se necessita para o uso na atividade normal do cotidiano, é comum que pelos meios possíveis de divulgação, inclusive pela prática do boca-a-boca, se utilize a linguagem do “Procura-se”, como forma de localizar aquele item que possa resolver o problema de eventual carência.

Naturalmente, o leitor está surpreso com a analogia, visto que o título da crônica se reporta a um órgão da maior significação em nosso corpo, responsável por diversas funções no organismo humano, “como a percepção dos sabores e a formação de sons correspondentes à fala, além de complementar o processo de deglutição”. Difícil classificar o grau de maior ou menor importância, porque qualquer desvio de qualidade no seu desempenho, traz sensíveis prejuízos ao seu detentor. E a sua perda por algum acidente, priva o indivíduo do bem maior que é a capacidade de comunicação.

As pessoas têm por índole, o hábito de observarem o comportamento dos indivíduos na proporção exata do que falam, não tanto pelo volume da voz, mas pelo conteúdo que emana do que dizem. No mundo político, então, o nível de exigência cresce de maneira exponencial, porque são agentes públicos com poderes outorgados pelo voto popular e assim devem responder por princípios básicos de responsabilidade ao transmitir aquilo que pensam. Infelizmente não é bem isso que vem ocorrendo de uns tempos para cá.

Quando a crônica se propõe à busca por um “freio para língua”, é porque muitos, ou diria a grande maioria dos nossos representantes na vida pública, têm perdido a noção dos limites que devem ser observados no uso da palavra como meio legítimo e autêntico de comunicação, seja pelas expressões impróprias que emitem ou a falta de respeito perante o público. Numa total descompostura.

Por exemplo, imaginar que o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro, filho n° 3 do Presidente, diante de críticas por integrar a Comitiva que visitou Israel e todos saíram daqui sem usarem máscara e chegaram lá já usando, tenha rebatido em “live” recente, para as pessoas “enfiarem a máscara no r…..”! No mínimo, chulo e indecente, e merecia responder pela falta de decoro como parlamentar que é! De outra parte fez duras acusações de que “a China criou o vírus” e recebeu como réplica uma dura frase do Embaixador da China: “Lamentavelmente você é uma pessoa sem visão internacional nem senso comum, sem conhecer a China nem o mundo”. Para o bom entendedor, no popular isso quer dizer: cale a boca que você não sabe de nada.

Surpreendente, porque mais comedido nas palavras, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez declaração também inadequada, afirmando que a “China inventou o vírus”. Assustou-se quando soube que estava sendo filmado e corrigiu dizendo que usou “imagem infeliz”! Será que teremos mesmo de encontrar uma adaptação de freio para o descontrole da língua?

Na última semana, um exemplo de líder mundial, a 1ª Ministra Ângela Merkel, da Alemanha, encantou o mundo ao desfilar pela cidade em despedida do seu longo período no governo. A maneira como saiu aplaudida depois de 16 anos no Poder, onde se destacou pelo equilíbrio e competência, além do destaque como uma grande líder do continente europeu, demonstra que na Democracia também pode ter governos de longa duração, só depende da dedicação, integridade e honradez no desempenho da missão. Foi um belíssimo exemplo para muitos marmanjos ignorantes e despreparados que ocupam altos cargos de comando pelo mundo!

Concluo, reproduzindo um pequeno trecho da minha crônica publicada em 11/07/2017, sob o título “POR QUE NÃO COPIAR OS BONS EXEMPLOS?”:

Se somos um país jovem e temos tantas deficiências e fragilidades em nossa postura humana e na estrutura organizacional de nossas Cidades, Municípios, Estados e Nação, por que não copiamos o bom exemplo dos modelos já aprovados pelo mundo?”

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – de Salvador – BA.

Contribuição do:  Blog do Florisvaldo -Informação Com Imparcialidade – 02/05/2021

Colaboração e Complementos de: :

José Deusimar Loiola Gonçalves

Técnico em Agropecuária (Assistente Técnico de Desenvolvimento Rural-FLEM-BAHIATER-Governo do Estado); Graduado em Administração de Médias e Pequenas Empresas; Licenciado em Biologia; Pós Graduado Em Gestão Educação Ambiental, e Tecnólogo em Apicultura e Meliponicultura.
Zap: (75) 99998-0025 (Vivo) – (75) 99131-0784 (Tim).
Blog: https://www.portaldenoticias.net/deusimar

1 Comentário on EDITORIAL .ANO V NÚMERO 233 – PROCURA-SE FREIO PARA LÍNGUA

  1. Claudio Cardoso de Melo // 2 de maio de 2021 em 22:39 // Responder

    Todos nós influenciamos e somos influenciados continuamente.
    A lei da sintonia determina quais os exemplos que iremos copiar e quais os que iremos repudiar.
    Para algumas pessoas é simplesmente impossível agir de forma diferenciada, porque a frequência vibratória na qual se situam impede que produzam e copiem o que chamamos “o bom exemplo”.
    Vulgaridade, ignorância, raciocínio raso, linguajar inapropriado, menoscabo com a vida do próximo produzidos por figuras públicas que por dever de ofício deveriam, como assinalado no texto, fazer sobressair o interesse público no labor e vida cotidiana, insistem em uma pretensa liberdade de pensar e agir segundo seu tirocínio, revelando egolatrismo pernicioso e destrutivo.
    Conhece-se uma árvore por seus frutos.
    Abraço.
    Cláudio.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.