Do isolamento à perversidade, os últimos dias do vigia que tirou a vida de 9 inocentes

Enquanto multidões comovidas acompanharam os velórios das primeiras vítimas do ataque de Janaúba, no norte de Minas Gerais, na sexta-feira (6), o corpo do vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, foi sepultado em uma cerimônia discreta, sem a presença de parentes, buscando ao máximo evitar a atenção – e a revolta – da cidade que passou a vê-lo como um monstro.

Vizinhos, funcionários da creche e familiares agora se perguntam retrospectivamente quem era Damião, um homem que não chamava atenção, “proseava” com os moradores da vizinhança e vendia picolés, que ele mesmo fazia, para as crianças.

Foto reprodução

O homem que planejou e levou a cabo o incêndio na creche Gente Inocente, na quinta-feira, era caçula entre os irmã de uma família de sete mulheres e quatro homens e cresceu em uma família humilde, porém “muito unida, trabalhadora, de coração bom”, diz sua irmã, Maria Alexandrina dos Reis Santos, de 59 anos.

Na manhã de quinta-feira (5), Damião chegou à creche dizendo que ia entregar um atestado médico. Ao entrar, jogou combustível em si mesmo e em quem mais conseguiu alcançar, entre crianças e funcionários, e ateou fogo. De acordo com o delegado regional Bruno Fernandes, ele chegou a abraçar algumas crianças no meio das chamas.

O ataque matou oito crianças de 4 a 6 anos e a professora Helley Abreu Batista, de 43 anos, deixando a cidade de 72 mil moradores toda de luto. Damião chegou a ser levado para o hospital com queimaduras, mas também morreu, horas depois. Mais de 40 pessoas ficaram feridas, e algumas crianças ainda estão em estado grave devido à extensão das queimaduras. Os casos mais graves foram levados para hospitais em Montes Claros e Belo Horizonte.

Damião era funcionário efetivo da prefeitura desde 2008 e, de acordo com o prefeito Carlos Isaildon Mendes, nunca apresentara qualquer problema. Ele estava afastado da creche desde julho, primeiro de férias, e depois alegando problemas médicos.

Abalo

Maria foi a única familiar a comparecer à funerária para lidar com o enterro do irmão, mas nem ela nem outros parentes foram ao sepultamento.

“Estamos muito abalados. São duas dores que a gente tá sentindo. Por todas as crianças e famílias que estão sofrendo e pelo irmão. Nem velar ele podemos. Está tudo muito triste, doído”, diz Maria. “Estou com o coração esbagaçado.”

Maria diz que o irmão vinha apresentando problemas “de cabeça” que começaram depois que o pai morreu, há três anos. “Ele falava que a gente estava envenenando as coisas dele. Ele saiu da casa da mamãe, foi morar sozinho. Uma pessoas que fez o que ele fez não está certo da cabeça, não. Um homem que teve a coragem de fazer o que ele fez, tirar a vida dele e de tantas criancinhas”, diz a irmã.

“Ele era uma pessoa boa, bem humilde, bem educado, um servidor honesto. O apelido dele na família era Dão. Agora fez um erro assim…”

Damião foi enterrado no cemitério São Lucas, o mesmo que suas vítimas, mas em um horário que não coincidisse com os demais sepultamentos.

A família ficou com medo de enterrá-lo – “as pessoas estavam falando que iam pegar o corpo dele e jogar no asfalto”, diz Maria – e chegou a perguntar à funerária se seria possível uma cremação, mas não havia documentação de Damião para permitir o procedimento.

“Quero pedir muitas muitas desculpas a todas as famílias. Só peço que as pessoas entendam que a família de Damião não é culpada. Está todo mundo muito abalado. Estamos orando, pedindo paz e harmonia para todas as famílias”, diz.

Nesses últimos três anos, Maria afirma que a família praticamente não teve contato com o Damião. Ele se isolou depois de sair da casa da mãe.

Porém, reapareceu dias antes do ataque. Reaproximou-se da família, conheceu um sobrinho de 3 anos que nunca tinha visto e dormiu as duas últimas noites na casa da mãe. Reclamou que vinha vomitando muito e vomitou muito de manhã, conta a irmã. A família conversou com um psicólogo que veio atender outro parente e quis levá-lo para conhecer o Damião – mas isso já foi na manhã do ataque.

‘Premeditado’

Damião escolheu o aniversário de três anos de morte do pai para o incêndio na creche. De acordo com o delegado regional Bruno Fernandes, há outras evidências de que o ataque tenha sido “arquitetado, premeditado”: a polícia encontrou galões de gasolina na casa de Damião, e dois dias antes do incêndio ele falou à família que iria morrer e que iria dar aquele “presente” aos parentes.

Para o delegado, isso esvazia a teoria de que ele poderia ter tido um surto psiquiátrico.

“Não foi um surto. Ele fez por perversidade”, acredita Fernandes. “Por covardia, resolveu se autoimolar e levar junto quem tinha pela frente. E foi tudo premeditado, até a data escolhida. Foi uma forma que ele achou de chamar atenção.”

Mas o delegado diz não ter dúvidas de que Damião tinha um transtorno psiquiátrico. “Ele tinha uma síndrome de perseguição. Achava que as pessoas estavam perseguindo-o para matá-lo envenenado”, diz.

....

COMPARTILHAR