Euclides da Cunha, Itiúba e Quijingue registraram 20 casos de estupros em 2015; veja dados

Em Santos, 81 mulheres foram estupradas em 2012O mapa da violência sexual na Bahia no ano de 2015 acabou de ser divulgado, os municípios da região com índices mais elevados foram Quijingue com 6 casos de estupros registrados, média de 20,94 por cada 100 mil habitantes, Itiúba, também com seis casos registrados (média de 15,59) e Euclides da Cunha com oito casos (média de 13,19). Os municípios do Extremo-Sul do estado lideram.

Um homem conhece uma mulher pela internet e, após algum tempo, se muda para a casa dela em Itamaraju, Extremo-Sul do estado. Lá, passa a morar com a mulher e suas duas filhas, de 15 e 8 anos. Seis meses depois, o padrasto é flagrado pela adolescente estuprando a irmã mais nova. A vizinha, ao ouvir o relato da adolescente, chama a polícia, que chega a tempo de prender o agressor em flagrante.

Cenas assim, ou parecidas com essa, se repetiram 517 vezes no ano passado nos 70 municípios do Sul e Extremo-Sul. As duas microrregiões sustentam os dois primeiros lugares num ranking nada animador: as áreas com maiores taxas de estupro da Bahia. Enquanto no Extremo-Sul ocorreram 27,1 casos para grupo de 100 mil habitantes, no Sul essa taxa foi de 21,8 em 2015.

As duas taxas superam em pelo menos três pontos a de Salvador, de 18,1, onde 531 estupros foram registrados de janeiro a dezembro do ano passado. Nas duas regiões, quem lidera a taxa de estupros é a pequena Pau Brasil, com 10 mil habitantes. Foram sete casos em 2015, ou seja, 64,1 de taxa.

Os dados dos crimes foram divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) e mostram que, a cada 100 mil habitantes do Sul e Extremo-Sul, juntos, 24 foram violentadas em 2015. Os 517 casos estão distribuídos nas 70 delegacias territoriais ou nas especializadas de atendimento à mulher. Embora nenhuma delas supere em números absolutos a capital, 30 municípios têm taxa de estupro maior do que a de Salvador.

estupro_brasil

Números
Os crimes de violência sexual fazem parte da realidade de quase todos os 417 municípios baianos. No ano passado, apenas 98 deles (23,5%) não tiveram nenhum caso levado às delegacias. Já entre os que registraram as maiores taxas, três estão no Sul e Extremo-Sul: Pau Brasil, em 4º lugar, com 64,19; Itanhém, em 7º, com 48,52; e Porto Seguro, em 9º, com 46,07.

CONFIRA ÍNDICES DE TODOS OS MUNICÍPIOS DA BAHIA AQUI

Em números absolutos, metade dos dez municípios do interior com o maior volume de registros também está nas duas regiões: Ilhéus, em 2º lugar, com 76 estupros; Porto Seguro, em 3º, com 67; Teixeira de Freitas, em 5º, com 53; Itabuna, em 8º lugar, com 43; e Eunápolis, em 10º, com 37 casos. Na região, há Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam) em Porto Seguro, Itabuna, Ilhéus e Teixeira de Freitas. E elas não registram casos das cidades vizinhas.

dados

Em família
Para a delegada coordenadora da 23ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/Eunápolis), Valéria Chaves, os números de estupros nas cidades cobertas pela Coorpin têm se mantido estável. Mas, para ela, o caso de Porto Seguro chama a atenção. “O que a gente constatou em Porto Seguro é que houve um aumento considerável. Geralmente, os agressores são familiares. E lá tem uma delegacia especializada, a gente tem como visualizar melhor”, disse a delegada, que coordena, de Eunápolis, o trabalho em oito delegacias da região. Apesar disso, o número de estupros em 2015 (67) em Porto Seguro – taxa de 46,07 por 100 mil – foi menor em relação a 2014, quando houve 88 casos e a taxa atingiu 31,88.

Não é o que acontece em Ilhéus. Lá, o número de registros aumentou em relação a 2014 – foram 76 em 2015, contra 66 antes. Titular da Deam de Ilhéus, Márcia Rezende diz perceber o aumento, mas não o considera expressivo. Lá, a Deam registra apenas casos da cidade. “Aqui, o abuso infantojuvenil, ou estupro de vulnerável, é maior que o estupro de mulheres. Ele predomina. E, na maioria das vezes, a gente consegue prender o agressor. Já fiz, inclusive, este ano, duas ou três prisões”, disse.

Segundo a delegada, cerca de 90% dos estupros de vulnerável (menos de 13 anos) acontecem em ambiente familiar. “Quando o abuso acontece com adolescente e criança, 90% é no seio familiar. É o pai, o irmão, o padrasto, o tio, é quem você nunca desconfia. Já o outro pode acontecer com qualquer pessoa”, ilustrou.

É o mesmo tipo de crime que aconteceu no último dia 15, em Itamaraju. E não foi o primeiro este ano. Segundo informações da delegacia local, apesar de ter sido preso em flagrante, o homem negou as acusações. A vítima, porém, contou a situação em detalhes.

Por quê?
Embora as taxas de estupros nas duas regiões sejam as maiores do estado – e de o Centro-Sul ter registrado, em números absolutos (372), o segundo lugar, perdendo só para Salvador – especialistas e agentes de segurança não conseguem encontrar uma explicação. Para a delegada Márcia Rezende, a maioria dos casos lá não tem relação com turismo sexual. “Isso existe do Baixo-Sul pra cima. Aqui não tem, a taxa é mínima”, observou a delegada, que defende mais delegacias especializadas. “A violência contra a mulher, não só o estupro, está aumentando muito: o feminicídio, a violência doméstica, o estupro, as brigas de vizinhos com ataques às mulheres, isso tudo tem aumentado”, apontou.

Chega de Fiu Fiu: vítimas de assédio relatam situações
Além dos registros de estupro nas delegacias territoriais, há mulheres que são vítimas de assédio e levam o caso a público através da internet. A campanha Chega de Fiu Fiu, da ONG Think Olga, é um dos espaços onde é possível relatar casos de abuso, de assédio sexual e até de ameaças de estupro. No espaço virtual, é possível indicar num mapa e relatar uma história, marcando-a por cidade.

No mapa da campanha, há relatos de assédio ocorridos, por exemplo, em cinco cidades do Sul e Extremo-Sul do estado: Ilhéus (4), Teixeira de Freitas (1), Eunápolis (1), Itabuna (4) e Wenceslau Guimarães (1). Em Salvador, há 69 denúncias, a maioria delas referente ao ano de 2014.

No total, foram feitas 107 denúncias de assédio na Bahia, entre o dia 22 de abril de 2014 e 11 de abril de 2016. Além dos 69 casos denunciados à Chega de Fiu Fiu em Salvador e nas microrregiões Sul e Extremo-Sul, houve casos em Amargosa, Biritinga, Cícero Dantas, Cruz das Almas, Feira de Santana, Jequié, Juazeiro, Lauro de Freitas, Seabra, Simões Filho e Vitória da Conquista.

Ainda segundo informações do mapa de ocorrências, 44,8% dos assédios denunciados na Bahia ocorreram durante a tarde, 26,1% durante a manhã e 20,5% durante a noite – 8,6% das denúncias não informavam horário. O mapa aponta também que, em todo o Brasil, 48% dos assédios relatados são verbais e 68% deles acontecem durante o dia. Há, inclusive, uma lista com os termos usados de forma mais recorrente pelos agressores.

*Com informações do Correio24Horas