EDITORIAL ANO IV NÚMERO 209 – “PELO PODER DE NOSSO EXEMPLO”

3
93

TRUMPEm qualquer tipo de eleição, onde se encontra envolvido o voto individual e secreto, sempre estará presente relativa dose de apreensão, não somente quanto ao resultado, como, principalmente, à expectativa de se poder testemunhar depois de empossados os eleitos, a legitimação dos projetos e discursos exibidos durante a longa e acirrada campanha. Nem sempre essa fidelidade de pensamento e ideologia é preservada, porque os acordos políticos logo começam a ser contaminados pela “Lei do Gerson”, onde a vocação para levar vantagens em tudo e o toma-lá-dá-cá, passam a desvirtuar regras e princípios de integridade.

Como é impossível esquecer essa frase simples, mas, verdadeira, permitam-me repetir o que me disse o amigo Edinho da Farmácia, in memoriam – ex-Prefeito de Uauá nos idos de 1966/1970 -, quando gerenciei a Agência do Banco do Brasil daquela cidade em 1983, ao afirmar: “Sr. Agenor, o poder é sedutor!”. Nada mais autêntico poderia ser dito para definir a emblemática sedução do poder, que corrompe e desvirtua as pessoas. Edinho estava totalmente certo. Pena não tenha tido oportunidade de poder comprovar sua célebre frase ao passar do tempo.

Essa sedução pode se manifestar de várias formas, tanto para o bem como para o mal. Quando transito por ruas de uma cidade como Salvador – e o mesmo deve acontecer com todos os leitores de outras cidades de médio e grande porte -, e vejo tantas obras públicas sendo executadas, voltadas para a melhoria do tráfego de veículos, construção de Hospitais, Clínicas e Postos de Saúde, praças e parques para o lazer da população, costumo fazer um certo comentário indagativo: o que seria dos seus habitantes, se não tivesse um Gestor Público e sua equipe cuidando de resolver os múltiplos e variados problemas da cidade? A vida se tornaria simplesmente um caos total… Isso prova que há gestores seduzidos por fazer o bem.

Por outro lado, existem os que se aproveitam apenas do cargo, e se locupletam dos recursos públicos de forma criminosa, desumana e irresponsável, além de se eternizarem no Poder, de pai a filhos e netos! Infelizmente, com o apoio popular, pois, ao contrário, passariam apenas os quatro anos do primeiro mandato.

E por abordar esse tema do apego ao poder, um assunto do momento que catalisou as atenções em todo o mundo, foi a grande repercussão causada pela eleição presidencial americana. A forma como o atual Presidente Donald Trump desqualificou o processo eleitoral do seu país, insistindo em que a apuração fosse interrompida e alegando a existência de fraude por todo lado, sem exibir provas concretas, foi algo inusitado e decepcionante para a postura do Presidente de uma nação tão importante para o mundo.

Como uma Nação potência do mundo democrático, os problemas evidenciados e a falta de reconhecimento da vitória do seu opositor, mesmo com uma larga margem de votos a favor do adversário, tanto do eleitor como em número de Delegados – 306 quando é exigido apenas 270, contra 253 -, afloram uma convicção de que tem alguém que não quer largar o osso de maneira nenhuma, ou seja, visível sedução pelo poder! Interessante é recordar que em 2016, o próprio Trump perdeu no voto popular para Hilary Clinton, por 2.869 milhões de votos de diferença, e venceu por ter obtido 306 Delegados. Agora, perdeu para o Biden nos dois segmentos e, coincidentemente, por 306 Delegados, também E, pelo andar da carruagem, tudo indica perderá no Judiciário. Como os maus exemplos sempre proliferam e têm um poder devastador, é bom já começar, por aqui, a colocar as nossas barbas de molho para 2022!

Mesmo que ainda não tenha sido declarado o Presidente eleito dos EUA, o Joe Biden, em um dos seus discursos após superar o número mínimo legal de 270 Delegados, usou uma frase importante e inspiradora, se efetivamente praticada no seu governo: “[…] E lideramos não pelo exemplo de nosso poder, mas PELO PODER DE NOSSO EXEMPLO”. Oxalá essa regra se confirme!

agenor
Agenor Santos

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – de Salvador – BA.

 

Blog do Florisvaldo – Informação Com Imparcialidade – 15/11/2020

Comentários

3 COMENTÁRIOS

  1. Caro Agenor. O Trump, que tanto encantou o nosso Bolsonaro (não se tratou de uma ligação entre países, mas entre pessoas, o que do ponto de vista da política internacional é um erro) em troca de nada, só promessas e afagos inconsequentes. Prometeu botar o país na OCDE (exigindo que em troca o Brasil saísse da Organização Mundial do Comércio, onde tem tratamento diferenciado), vai deixar o governo sem cumprir. Passava por amiguinho, mas isto não o impediu de sobretaxar nossas exortações (aço, por exemplo) para favorecer os produtores internos. Só balela, nada de concreto. Não tem postura de cidadão, perdeu e não sabe perder e cria todo o tipo de desculpas para “enrolar” e tumultuar o processo. Não admitiu a derrota e não abriu o governo para fazer um processo de transição tranquilo e seguro. Saiu do acordo de Paris (sobre o meio ambiente) para favorecer os produtores do altamente poluente carvão (votaram nele). Saiu da OMS. O Biden já anunciou que vai retornar ao acordo de Paris, à OMS, etc. Parabéns pela crônica, a maior força educativa é o exemplo que, como dizem os antigos, vale por mil palavras. O poder de fato corrompe, mas quem se deixa corromper já era corrupto por formação, só faltava a oportunidade. Não é a ocasião que faz o ladrão, ela só revela, ele já está feito. Eu, como você e muitos outros colegas, recebi, nos postos que ocupei, propostas que poderiam seduzir outros (vindas até de pessoas que ocupavam postos de destaque) – até apartamentos me ofereceram, mas, graças a Deus os ensinamentos deixados pelo meu pai e a força da religião me mantiveram insensível a estas tentações. Eu fiz, parece, nesta mensagem, uma espécie de samba do crioulo doido ! (Brasília-DF).

  2. Parabéns! Convém lembrar que, além dos números mostrados nesta crônica, a supremacia eleitoral da Hillary Clinton, tradicionalmente respeitada a decisão dos delegados estaduais, ainda houve a lambança criada pelo mal exemplo de político chamado Trump, envolvendo os russos numa estranha associação – improvável há alguns anos passados – voltada para a ambição eleitoral do presidente que quer, a todo custo, mais quatro anos de mandato contra tudo e contra todos. Vergonha internacional de uma das grandes potências mundiais. (Salvador-BA).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.