EDITORIAL ANO II NUMERO 105 – O INDULTO QUE ENVERGONHA A NAÇÃO!

Concluo feliz um giro pelas capitais nordestinas da Paraíba e Pernambuco, impressionado pela beleza e desenvolvimento das cidades de João Pessoa e Recife, bem à frente do que conheci alguns anos atrás, apesar do caos do trânsito, principalmente em Recife. Esse, porém, é um detalhe comum nas grandes cidades e capitais do país, por mais que os seus gestores invistam muito na mobilidade urbana, em decorrência da enorme quantidade de veículos em circulação. Uma particularidade chamou a atenção, que é a forte tendência pelo crescimento verticalizado das cidades, principalmente em João Pessoa, onde há prédios de até 52 andares, e cuja área já é classificada como a “Dubai Paraibana”! Resta ver se na área da educação, saúde e segurança existem os mesmos motivos para a comparação! Numa forma hilariante de avaliar a situação, ouvimos que esse programa na construção civil está mais para o “Minha Casa, Minhas Dívidas” do que para o similar oficial conhecido como “Minha Casa, Minha Vida”!

Um giro dessa natureza permite a percepção de que há um fato novo envolvendo as pessoas, ou seja, um sentimento mais ameno na expectativa quanto ao novo governo eleito, o que não significa uma antecipada aprovação ou precipitada rejeição, seja daqueles que o elegeram ou mesmo dos que têm uma posição ideologicamente contrária, o que, obviamente, deve ser respeitado. Diga-se de passagem, estão de olho nele sim, e as cobranças não serão poucas, face as promessas.

É visível que há uma natural e momentânea acomodação no que tange às nervosas cobranças pós-eleitorais, diante da compreensão de que está em andamento um processo de transição de comandos e de criação de novas equipes de trabalho para a substituição de uma grande estrutura do governo que sai, e a formação complexa do que entra. A observação passa o entendimento de que a paciência da população quanto às efetivas medidas de governo, contudo, tem um tempo definido em mês e hora para tolerar a espera do perfil dessas decisões e quais os efeitos positivos que virão produzir na correção dos rumos do país. Vencido esse tempo, as manifestações certamente ocorrerão, e isso faz parte do sistema democrático.

A grande dúvida que paira no ar, é se haverá uma convivência coerente e patriótica entre os poderes da Nação – Legislativo, Judiciário e Executivo – visando a reconstrução dos caminhos perdidos da integridade, do respeito e da honestidade, além dos valores éticos e morais que foram jogados no lixo. As decisões de cada segmento de poder não podem estar fundamentadas unicamente nos interesses pessoais e corporativos dos seus integrantes, mas alinhadas com os objetivos maiores do país. Somente com o restabelecimento da honradez e da decência nos atos e atitudes dessas lideranças institucionais, é que a confiabilidade da população poderá ser reconquistada. É dito isso porque, não basta somente o Presidente querer, nós sabemos disso e ele mais que ninguém sabe. Mas, mesmo assim, deita falação todos os dias.

O tema que excitou as preocupações gerais durante a semana que passou, prendeu-se ao julgamento pelo STF se revoga a liminar que suspendia parte do indulto de condenados editado pelo Presidente Temer. A decisão parcial do STF surpreendeu a sociedade brasileira, visto que o Tribunal tem por tradição regimental suspender a votação quando ocorre o “Pedido de Vista” por parte de algum Ministro, e ainda assim o Presidente Dias Toffoli desconheceu esse direito e insistiu em continuar ouvindo o voto do Ministro Celso de Melo, com o qual se atingiu o total de 6 x 2.

Com esse total de votos o STF se alinhou ao entendimento político da Presidência da República de indultar pessoas que foram julgadas como culpadas, contrariando o próprio esforço do Judiciário, através da Lava Jato, de promover uma operação de limpeza e recuperação da dignidade perdida, virando as costas ao clamor nacional contra a libertação de condenados por crimes contra o erário público!

De outra parte, o Poder Legislativo votou recentemente a concessão de aumento ao Poder Judiciário, em índices que superam toda a realidade que atinge as classes de trabalhadores e servidores em geral. Esse julgamento pelo Judiciário ao favorecer a soltura de políticos presos, por ato da Presidência da República, planta a suspeição, triste e inimaginável, de um cordial reconhecimento ou favorecimento entre os Poderes! Vergonhosa realidade!

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – Aposentado do Banco do Brasil (Salvador-BA).

 

Blog do Florisvaldo – Informação Com Imparcialidade – 02/12/2018

 

Comentários

8 Comments on EDITORIAL ANO II NUMERO 105 – O INDULTO QUE ENVERGONHA A NAÇÃO!

  1. Eden Lopes Feldman // 2 de dezembro de 2018 em 09:35 // Responder

    Embora existam vários pontos importantes nesta sua crônica, Agenor, o que mais me chamou a atenção foi o aspecto do Presidente eleito querer e a dificuldade de obter apoio para suas idéias. E ao mesmo tempo, durante o discorrer das suas atentas observações do realidade brasileira , senti que existem dois países: o Brasil que quer reformas, e o outro Brasil que deseja a perpetuação do comodismo e da impunidade. Que é o lado dos que desejam o Indulto. Espero que o primeiro vença. FOZ DO IGUAÇU-PR.

  2. EMANUEL APOLINÁRIO.'. // 2 de dezembro de 2018 em 11:26 // Responder

    Agradeço ao Pai Celestial, por nos proporcionar a convivência com pessoa de mente privilegiada, com a leveza e o grande senso de observação como você Irmão. Nossa nação espera dos brasileiros a confiança no futuro melhor para nossa gente e esse governo recém-eleito carrega essa tarefa difícil, mas não impossível, transformar a máquina pública de um “trem de asas” em um rápido e eficaz avião com autonomia de voo, além dos 4 anos vindouros. (Salvador-BA).

  3. Parabéns meu amigo. Faço minhas as suas palavras. (Salvador-BA).

  4. PR. RUY GUILHERME MATOS // 2 de dezembro de 2018 em 11:32 // Responder

    PREZADO CONFRADE AGENOR SANTOS: MAIS UM BELO ARTIGO SOBRE AS MAZELAS DO COTIDIANO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA REPÚBLICA FEDERATIVA DA TRAMBICAGEM. (Nordestina-BA).

  5. Vergonha é pouco, para avaliar a ocorrência. Neste artigo semanal, o Agenor acertou em cheio. (Salvador-BA).

  6. FLÁVIO MENDONÇA.'. // 3 de dezembro de 2018 em 00:48 // Responder

    Mais uma vez você faz uma analogia perfeita sobre o tema que excitou as preocupações durante a semana que passou, havendo até uma sensação de que ainda perdura o “toma lá dá cá”. O Poder Legislativo votou recentemente a concessão de aumento ao Poder Judiciário. Por sua vez o Judiciário se alinhou ao entendimento político da Presidência da República, obviamente de indultar pessoas que foram julgadas como culpadas, contrariando o próprio esforço do Judiciário, através da LAVA JATO. Infelizmente essa segunda turma parece que serve apenas para soltar bandidos das grades da cadeia. (Manaus-AM).

  7. Realmente triste ver esses policos envergonhando ainda mais nosso país !

  8. …esses políticos

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Curtir(1)Descurtir(0)