EDITORIAL ANO III NUMERO 167 – DAS PRAGAS DA ANTIGUIDADE ÀS TRAGÉDIAS ATUAIS

7
109

ag1ag2São tantas as tragédias registradas nos últimos tempos, marcadas por um rastro de destruição de áreas florestais e urbanas das cidades, o que tem provocado intensa dor, tristeza e morte a milhares de pessoas que, de repente, muitas perguntas e indagações são produzidas na busca de uma explicação para uma nova realidade que está sendo escrita. É vasto o universo de questionamentos quanto às suas causas, que tanto podem estar vinculadas a atitudes e intervenções inconsequentes do próprio ser humano, como a uma fúria da natureza que foge à capacidade de entendimento das pessoas comuns! Naturalmente que espiritualistas devem estar direcionando seus estudos e reflexões para encontrar explicações comparativas em episódios análogos dos tempos bíblicos, em que pragas e outros tipos de destruição atingiam os povos como uma forma de punição ou mesmo como uma condenação Divina pela desobediência dos povos de então.

Alguns lembrarão que após o Dilúvio que destruiu quase totalidade dos seres viventes nos primórdios dos tempos bíblicos, Deus firmou com Noé um novo pacto: “Estabeleço a minha aliança convosco: não será mais destruída toda carne por águas do dilúvio, nem mais haverá dilúvio para destruir a terra. […] Porei nas nuvens o meu arco; será por sinal da aliança entre mim e a terra”. (Gênesis 9:11 e 13). Ainda que os céticos insistam em não aceitar esse fato bíblico, o Arco-Íris nas nuvens durante cada tempestade parece repassar a convicção de ser uma forma de autenticar a assinatura Divina e lembrar ao homem que a Aliança permanece indelével. Ou seja, que a Palavra do Criador está sendo cumprida. E quanto mais dúvidas tiverem, mais Ele vai provar que a Natureza merece respeito!

Contando um pouco da história aos mais jovens e ativando a memória dos meus contemporâneos, lembro aqui algumas tragédias naturais passadas e recentes que podem conduzir a uma breve análise quanto aos motivos de tão elevado número de catástrofes históricas:

  • – Peste Negra na Europa e Ásia entre 1347/1351, bactéria que dizimou

50 milhões de pessoas;

  • – Terremoto de Shaanxi, na China, em 1556, com 830 mil mortos ou cerca

de 60% da população;

  • – Terremoto em Portugal, em 1755, que quase destruiu a capital Lisboa

e que se estima entre 10.000 e 90.000 mortos;

  • – Erupção do Vulcão Tambora, na Indonésia, em 1815, classificada como

a pior erupção vulcânica do mundo, com 200 mil mortos;

  • – Epidemia do vírus Influenza, em 1918/1919, chamada de Gripe

Espanhola e que matou 40 milhões de pessoas;

  • – Tsunami no Oceano Índico, na Indonésia, em 2004, que atingiu 14

países e matou 230 mil pessoas;

  • – Furacão Katrina, que atingiu os Estados de Louisiana, Mississipi e

Flórida (EUA), matou 1.836 pessoas, mas 1,5 milhões de pessoas foram

violentamente afetadas;

  • – Coronavírus, na China, 2020, praga da atualidade!

Esses oito registros podem ser insignificantes diante do volume global de tantas calamidades históricas, contudo, servem para ilustrar os flagelos que fogem ao controle do homem, em paralelo àqueles desastres ambientais que foram causados com a sua participação direta ou indireta, como os incêndios da Amazônia e da Austrália, rompimento de barragens, acidentes em usinas nucleares, vazamento de óleo no mar, etc.

Bem, não tenho essa pretensão de convencer ninguém e nem estou aqui para assumir postura profética e, assim, o entendimento e a interpretação dos fatos trágicos do dia a dia é um direito livre e muito pessoal. Mas, é conveniente e impositivo não fechar os olhos à possível reação enfurecida e incontrolável de uma natureza que se rebela contra a prepotência e a incredulidade do homem, que a cada dia que passa só piora como ser humano, e os exemplos estão aí nas mais variadas páginas de todos os jornais.

agenorAutor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – Aposentado do BB – de Salvador-BA.

 

Blog do Florisvaldo – Informação Com Imparcialidade – 02/02/2020

Comentários

7 COMENTÁRIOS

  1. A crônica desta semana elenca uma serie de fatos que passam despercebidos por uma parcela da população preocupada com os acontecimentos atuais, parte dela por desconhecer o passado que poderia servir como base ou parâmetro, já que não encontram respostas concretas das perguntas, indagações, questionamentos ou mesmo explicações que os estudiosos, como os espiritualistas, não tem.

    Bem que poderíamos refletir sobre o pacto firmado entre o Criador e Noé (Gênesis 9:11 e 13), citado por você.

    Daí, sem a consciência necessária, o “Bicho Homem” continua a praticar as atrocidades que assistimos diariamente, restando a natureza manifestar-se e demostrar a sua indignação por tudo aquilo lhe impõe, cobrando exemplarmente de tudo e de todo o universo, doa em quem doer.”

    São Paulo

  2. Mais uma vez você me surpreende com a sua indiscutível capacidade de vaticinar as tragédias atuais numa comparação autêntica de fatos que vem ocorrendo no mundo todo. Por esse motivo, temos que nos curvar e suplicar ao Grande Arquiteto do Universo para nos proteger e abençoar a todos os humanos principalmente os incrédulos. QUE DIOS NOS BENDIGA. (Manaus-SP)

  3. Muito pertinente sua mensagem, e veja que está acontecendo no norte da África uma praga com milhões de gafanhotos na Etiópia e países vizinhos que está levando fome e desespero a milhões de pessoas. Se a calota polar continuar derretendo e a água dos oceanos subir 0,40 cm milhares de cidades costeiras serão inundadas e os prejuízos serão trilionários! Quem agride a natureza será muito castigado! (Alagoinhas-BA).

  4. O homem quer poder e dinheiro a todo custo sem se preocupar com a mãe natureza, a qual necessitamos para nos alimentar, pois é da terra que se tiram os alimentos que depois de industrializados vão para as prateleiras de mercado, os animais, pois todos vivemos numa cadeia alimentar.
    Não se preocupam que tudo tem um ciclo, tudo q é para a manutenção da vida faz parte de um ciclo: oxigênio, carbônico, hídrico, nitrogênio, enfim.
    Mas o homem com a sua ganância não está preocupado com a natureza e que alguns recursos não são infindáveis.
    Alguns homens sabem que existem os recursos renováveis, as energias limpas que causam menos danos à natureza, e porque não fazem o uso desses menos prejudiciais e danosos?
    Porque apostar em recursos renováveis como a energia eólica, por exemplo, é mais caro, mais caro pra quem, pois no fim das contas quem paga essa conta somos nós.
    Infelizmente, estamos assistindo de camarote o homem destruindo a natureza com as suas próprias mãos e vai chegar um momento que não teremos muitas coisas que temos hoje porque não cuidamos, pelo contrário, ajudamos a extinguir.
    Andrea Gama – Cansanção/BA

  5. Deusimar das Abelhas – O Homem Forte das Abelhas, retornando aqui para render ao cronista Agenor, de quem orgulhosamente sou um modesto editor, mais um sincero parabéns por mais esta pérola.
    Além dos parabéns, este apaixonado pelos seres vivos mais importantes, mais organizados do planeta que sabem muito bem obrigado preservar a menosprezada MÃE NATUREZA, complementa o parágrafo do mestre Agenor dizendo que essa fantástica MÃE NATUREZA, é tão sabia que não sabe se defender das crueldades de nós, o humano mais na calada sabe se vingar da gente, não poderia deixar de registrar a prévia do maior gênio da ciência, Dr. Albert Einstein, que nos anais de suas inúmeras declarações científicas fez uma prévia de um possível colapso no planeta, caso algum dia viesse acontecer uma catástrofe capaz de dizimar por completo todas as abelhas do Universo.
    Segundo Dr. Albert Einstein, se acontecer a catástrofe em um pequeno espaço de tempo nenhum ser vivo conseguiria viver no planeta, inclusive, nós os humanos. É fato esta previsão do grande gênio, inclusive da forma como o bicho homem vem tratando os agentes polinizadores responsáveis por 80% do processo de polinização dos órgãos masculino e feminino das flores que nos resultam um fruto sementes e grãos para nossa alimentação, e dos animais também, dificilmente os pássaros; borboletas; morcegos; vento e o próprio homem, responsáveis pelos 20¨% restantes do processo de polinização darão conta da produção de alimentos tão necessária para a manutenção de todos os seres vivos aqui no planeta.
    Sem as sementes, como ficaria a perpetuação das espécies vegetais?
    José Deusimar Loiola Gonçalves
    Técnico em Agropecuária (Assistente Técnico de Desenvolvimento Rural-FLEM-BAHIATER-Governo do Estado); Graduado em Administração de Médias e Pequenas Empresas; Licenciado em Biologia; Pós Graduado Em Gestão Educação Ambiental e Acadêmico da UNITAU-EAD-Polo de Tucano – Curso Superior de Tecnologia em Apicultura e Meliponicultura.
    Zap: (75) 99998-0025 (Vivo) – (75) 99131-0784 (Tim).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.