EDITORIAL ANO IV NÚMERO 229 – MINISTÉRIOS: OPERAÇÃO TROCA-TROCA!

8
94

Numa análise racional do momento político, os excessos e paixões tanto de um lado como de outro, são atitudes sempre inaceitáveis, porque tendem a perder a noção do equilíbrio e coerência desejados numa conversa democrática. É de se lamentar, mas a realidade presente nesses diálogos, quase sempre, não é o reconhecimento de erros graves cometidos aqui ou acolá pelo governo atual, ou pelos que o antecederam, mas buscar, invariavelmente, alguns motivos que possam justificar e compensar, numa percepção de que o que mais importa é defender os princípios ideológicos de cada qual. Como disse o Marquês de Maricá: “Folgamos com os erros alheios, como se justificassem os nossos”! Parece uma profecia para toda uma vida…

Ao longo da semana a Pandemia e o seu assustador quadro de mortes, ao lado do colapso pela falta de vagas em UTIs dos Hospitais em todo o País, não permitiu que se alimentasse a esperança de uma breve superação desse quadro de angústia. Cada notícia de que pessoas estão morrendo nessa dolorosa espera, sem chegar, sequer, ao primeiro atendimento, é motivo de dor e lágrimas dos familiares e dos que têm a sensibilidade atingida duramente.

Numa variável de tudo isso, um fato gerado ao longo da semana no plano político e militar, instalou uma crise quase que estratégica – assim como preocupante -, e que desviou as atenções gerais sobre a tragédia viral. Há muito que não se vê num governo uma movimentação tão grande de Ministros, não só no curto tempo de cinco dias, como no período de dois anos de gestão! Enquanto nos governos anteriores, a Dilma fez 20 trocas na equipe, o Lula 11 e FHC 8, o governo Bolsonaro conseguiu superá-los, trocando 24 Ministros ou Secretários com o mesmo status, em apenas dois anos de mandato! Isso pode significar três coisas: deficiência no processo seletivo e de formação da equipe; excesso de poder, intransigência ou inabilidade na relação com os seus colaboradores; ou desmedida concessão aos apoiadores parlamentares, na pressão para promover substituições de nomes e ceder cargos no governo. Só sei que, por toda essa ótica, fica patente que essa insegurança e instabilidade não cheiram bem, administrativamente falando.

Embora o discurso de campanha e de início de governo tentou passar ao eleitorado a chegada de um novo conceito político e a vocação de uma governabilidade independente – por isso a expressiva votação -, inversamente, a prática mostrou que o “toma-lá-dá-cá” voltou a imperar. Para obter êxito na aprovação das reformas ou de eventuais projetos, os aliados do Centrão não permitem que o Governo se isole na máxima de que “antes só do que mal acompanhado”. E assim o desvio de rumo é fatal e consequente. Impressiona o tamanho da força política que essas figuras detêm, capaz de subjugar o ímpeto agressivo até de um Capitão Presidente!

Nada mais óbvio, porém, do que reconhecer o inquestionável poder do Presidente de exercer o direito de promover rotatividade na sua equipe, decisão que recebe o aplauso da população e dos críticos em geral, quando se torna evidente o perfil impróprio e o fraco desempenho de alguns Ministros, ou pesadas censuras quando o troca-troca exibe subserviência às pressões. Falar nisso, alguém sabe dizer o que tem feito de concreto o atual Ministro da Saúde?

No noticiário internacional da semana sobre o combate e contenção ao avanço do coronavírus, a França anunciou um novo Lockdown de 30 dias. Aqui, enquanto os registros indicam que o Brasil caminha para o trágico e desconfortável 1º. LUGAR em mortes, no mundo, parece irreal se continuar ouvindo o Bolsonaro declarar, com ênfase, que “o brasileiro tem de sair de casa”! Aliás, nesse campo, ele continua na contramão da história!

E nesse troca-troca de cargos no Poder, e nesse fecha e abre do lado de cá, a vida parece ter parado sem ideia de quando tudo voltará à normalidade.

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – de Salvador – BA.

 

Blog do Florisvaldo – Informação Com Imparcialidade – 04/04/2021

Comentários

8 COMENTÁRIOS

  1. Caro Agenor, mesmo sendo racional, depois de ler a sua crônica e apesar das as dicas, em face da velocidade e rapidez que os assuntos foram sucedendo, preocupado com o quadro de mortes pela falta de vagas nos hospitais em todo o país, não obtive respostas para os questionamentos, principalmente sobre o que tem feito o atual Ministro da Saúde. Uma coisa me chamou atenção e deixo aqui outra pergunta: Habilidade que o Capitão Presidente teve ao exonerar e empossar três ministros das mais importantes pastas do seu governo. O país precisava disto?

  2. Caro e perfumado escriba, Bom texto. Quantas vezes a gente convive (ou conviver?) com uma pessoa e não a conhece direito? Ouvimos: “Ah, nunca soube!!!… Nunca ouvi falar”!!! E o cara perto de você…
    Gente é como feijão no saco. Vai sacudindo e se arrumando! Só que o presidente tem o pavio curto!!! Sacode muitos sacos de uma vez! (Salvador-BA).

  3. Caro Agenor.
    O tema abordado na crônica desta semana está perfeito. Melhor ainda, a indagação constante ao fim do antepenúltimo parágrafo: “alguém sabe dizer o que tem feito de concreto o atual Ministro da Saúde?”. (Salvador-BA).

  4. Perfeito Agenor! Também acho que o fracasso, está deixando-o mais perturbado do que já é. Além, de estar cavando a sua própria sepultura. (Rio de Janeiro-RJ).

  5. E vamos na esperança que tudo pode dar certo. Vamos fazendo nossa parte no processo de combate a esse inimigo maior, o Covid-19. Ao vírus político que adoece nosso País e que extermina aos poucos e durante décadas a dignidade do Brasil só nos resta votar e rezar para que o amor e o patriotismo toquem o coração dessas pessoas que, quando chegam ao poder, ficam insensíveis e gananciosas.

  6. Eu, em meu parco entendimento, só diviso que: o troca-troca e toma-lá-dá-cá, visa tão somente, a empoderar, cada vez mais, o PR, beneficiando o Centrão, com a consequente concentração do poder na mão do PR, porquanto ele faz de seus Ministro marionetes, conforme disse o Pazuello: “O Presidente manda e a gente obedece.”, O PR quer se imiscuir em todos os Ministérios (e o faz), não para tomar conhecimento de seus desempenhos, o que é natural, normal e necessário, mas para indicar o rumo e as decisões que devem tomar. Tudo isso tem cheiro de regime ditatorial. O que espero não aconteça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.