Financiar ou pagar à vista a compra do seu apartamento?

Os juros têm baixado significativamente no Brasil, mas ainda pesam consideravelmente no bolso do consumidor. Quem busca comprar um imóvel dificilmente consegue fugir de um financiamento, até pelo alto custo do investimento. No entanto, mesmo não sendo dos mais caros, um apartamento na Vila Matilde, bairro da Região Leste de São Paulo, por exemplo, acaba saindo, em muitas vezes, o dobro ou até mesmo o triplo do preço original.

Em diversos casos, vale a pena juntar um dinheiro por um tempo e tentar arrebatar o imóvel à vista. Nessa situação, é possível até tentar pechinchar por um valor menor, já que a imobiliária ou empreiteira vai receber em espécie de uma só vez, algo raro nesse mercado. Contudo, sabemos da dificuldade para angariar esses valores sem prejudicar no orçamento, ainda mais em período de crise. Tudo depende do seu planejamento. Imóveis são bens de alto valor, e poupar para comprá-los à vista pode ser muito demorado.

Saiba o que o consumidor ganha em cada caso de pagamento do imóvel

A dúvida entre financiar ou juntar dinheiro para pagar bem mais barato à vista é frequente. Vamos supor que você tenha o interesse em comprar um apartamento na Vila São Francisco, simpático bairro localizado na Zona Oeste de São Paulo, por exemplo. A situação deve ser avaliada meticulosamente caso a caso. Há valores diferenciados para cada situação. Como agir então?

A sugestão de muitos especialistas é fazer um híbrido de poupança com financiamento. Ou seja, poupar com inteligência para dar uma gorda entrada e financiar o restante. Mas para ficar mais claro como proceder, veja algumas das diferenças de cada tipo de pagamento:

Financiamento:

O financiamento pode ser uma ótima opção para quem deseja comprar um imóvel, principalmente se for o primeiro. Confira algumas características dessa forma de pagamento:

  • Aluguel: para quem paga aluguel mensalmente, o valor da parcela de um imóvel pronto para morar pode substituí-lo. Agora, se o apartamento for comprado ainda na planta, aluguel e prestação deverão se somar. Nesse caso, o processo ficará tão pesado quanto poupar para comprar à vista.
  • Instantaneidade: conseguir formar poupança suficiente para pagar um imóvel à vista pode levar um longo tempo, até décadas. Quem pretende comprar logo a casa própria para fugir do aluguel, a opção do financiamento é muito interessante. Ele proporciona uma antecipação do consumo, o que é, diga-se de passagem, uma tremenda vantagem.
  • Preço fixo: o financiamento possibilita o “travamento” do preço atual do imóvel, não ficando sujeito às oscilações do mercado. Se o imóvel desvalorizar, o comprador terá perdido a oportunidade de comprá-lo mais barato, mas se houver alta, ele estará protegido contra ela.
  • FGTS: o financiamento imobiliário possibilita o uso dos recursos do seu FGTS. A vantagem é que a rentabilidade do fundo é de apenas 3% ao ano mais TR, perdendo facilmente para a inflação. Esse benefício só pode ser utilizado quando se financia ou se faz consórcio, salvo exceções.
  • Disciplina: essa é uma palavra-chave. Quem não consegue poupar por um longo período de tempo, as parcelas do financiamento “forçam” o comprador a destinar uma quantia para a casa própria todos os meses.

À vista

Como já vimos anteriormente, o financiamento possui suas vantagens, mas tem um grave problema: é caro. Ele faz com que você pague muito mais pelo bem adquirido. Se você tem disciplina e possibilidade de juntar dinheiro por um tempo, conheça as vantagens de pagar à vista:

  • Poupança: o financiamento tem restrições. As instituições financeiras só permitem que você comprometa de 20% a 30% da sua renda para pagar um financiamento imobiliário, o que acaba limitando o valor do imóvel que você vai conseguir comprar. Isso não ocorre com a poupança, o que permite um fôlego substancial ao seu pé de meia.
  • Inflação: os preços dos imóveis tendem a continuar subindo, mesmo com uma recessão no mercado imobiliário. Ainda que se elevem modestamente, comprar a sua casa própria à vista faz com que você pague um preço mais baixo por ele do pagaria em anos posteriores, pois os preços dos apartamentos têm vencido os índices inflacionários mês a mês.
  • Descontos: assim como no varejo, quem compra um apartamento à vista pode conseguir descontos vantajosos, visto que essa é uma prática bem incomum no mercado. Fora que o consumidor foge dos juros elevados praticados no ramo imobiliário.