Funcionário público é afastado após torturar e matar passarinho no trabalho e postar vídeo na web

matador de passarinhoSabe aquele tipo de idiota que quando não tem o que fazer resolver despejar toda a sua estupidez em cima dos inocentes? pois é, encontramos mais um. Ele é um servidor da Prefeitura de Cordeirópolis (SP) que inclusive já foi afastado do cargo, por tempo indeterminado, depois de gravar um vídeo em que ele bate em um passarinho até a morte. Nas imagens, que foram filmadas por outro servidor da administração municipal, o homem dá tapas na cabeça do animal e depois o joga contra uma parede. Por fim, ele pega novamente a ave e diz: “Você não vai mais sujar meu carro e bicar tudo”. A gravação foi feita na sede do Executivo, durante o horário de trabalho. Assista ao vídeo.

No início da gravação, o rapaz olha para a câmera e afirma que as pessoas iriam ver “a morte do pardal”. As imagens foram postadas no perfil do servidor em uma rede social na quarta-feira (10), segundo a Prefeitura, mas na manhã desta sexta (12) já tinham sido retiradas. No entanto, moradores da cidade compartilharam o vídeo em páginas de ativistas ambientais e denunciaram o caso no site da Polícia Ambiental.

O funcionário que gravou as imagens também foi afastado. A Prefeitura afirmou que os dois trabalham na Secretaria de Saúde e que, na quinta-feira (11), a pasta pediu o afastamento e abriu um processo administrativo contra os servidores. Até a manhã desta sexta-feira, o vídeo tinha 136 mil visualizações na rede social.

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde, após a conclusão do processo administrativo, os dois homens podem ficar afastados por mais tempo ou até serem exonerados do cargo. No entanto, a Prefeitura não informou a função e nem os nomes dos funcionários. Os dois servidores são concursados.
Revolta

Uma moradora da cidade, que preferiu não se identificar, afirmou que ficou sabendo do vídeo através de pessoas que compartilharam na rede social. Depois de assistir as imagens, ela também ficou mobilizada e decidiu espalhar em fóruns de discussão do município e páginas de defesa do meio ambiente.
“Espalhei o quanto eu pude esse vídeo. As pessoas precisam ver o quanto o ser humano pode ser cruel. Eu também publiquei em páginas de ativistas ambientais e denunciei para a polícia. Isso não pode ficar assim. Pelo menos a Prefeitura já fez a parte dela”, disse. (Com informações são do G1)