Geddel acusa governo de montar operação para manipular verbas de consórcios

    geddel_vieira_lima_foto_BOCAONEWS_GILBERTOJUNIORO presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, que é pré-candidato ao governo da Bahia, fez uma grave denúncia contra o governador Jaques Wagner (PT) na manhã desta terça-feira (20). Em seu perfil no Twitter, o polêmico peemedebista que eventualmente usa as redes sociais para fazer seus disparos, publicou que o “governo da Bahia e o seu candidato” estão “montando escandalosa operação para assumir o controle dos consórcios municipais e manipular verbas para obras”.

    geddel-faz-grave-acusacao-contra-governo-foto-reproducaoNos bastidores da política é dado como certo que o governador escolheu o secretário da Casa Civil, Rui Costa (PT), como candidato à sua sucessão. Wagner também já comentou que existe um consenso entre alguns partidos para que o postulante da base governista seja um nome do PT. “Existe este movimento fora, e dentro do partido os possíveis pré-candidatos estão muitos tranquilos. Temos que chegar a um termo e todos eles estão preparados”, afirmou em entrevista à Metrópole. Os petistas que ainda estão no páreo são o secretário de Planejamento, Sergio Gabrielli (PT), o ex-prefeito de Camaçari, Luiz Caetano e o senador Walter Pinheiro. Da base, aparecem o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), Marcelo Nilo (PDT) e a senadora Lídice da Mata (PSB).

    A reportagem entrou em contato com o Geddel mas não teve retorno. Ao Bocão News o governador informou por meio de sua assessoria de imprensa que não vai se manifestar sobre o assunto.

    Gaban denuncia gasto de R$ 1,8 milhão para ‘favorecer pré-candidato da base’

    Em julho deste ano, o deputado estadual Carlos Gaban (DEM) anunciou que vai denunciar ao Ministério Público a contratação, pela Secretaria Estadual do Planejamento (Seplan), gerida por Sérgio Gabrielli, de quatro empresas para organização de eventos da pasta. Os valores superam R$ 1,8 milhão, de acordo com publicação feita no Diário Oficial do Estado no dia 12 de julho.O demista afirmou por meio de nota que a única finalidade dos contratos seria “favorecer o pré-candidato a governo da base”, em referência ao secretário José Sérgio Gabrielli. Ainda de acordo com Gaban, há um desvio de finalidade da pasta estadual. “A Secretaria de Planejamento deveria planejar obras estruturantes para o desenvolvimento do estado e não contratar empresas para eventos”, pontua e ressalta que o governo em 2012, através de outras quatro empresas, disponibilizou quase R$ 30 milhões em organização de eventos. “Que eventos são estes?”, indaga.

    Bocão News