Marcelio Oliveira – Viver sozinho é pior do que mal acompanhado?

DSC003082s11111“Fundamental é mesmo o amor.
É impossível ser feliz sozinho.”

Tom Jobim

“Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só”.
Amyr Klink

“Solidão,
dá um tempo e vá saindo,
de repente eu tô sentindo,
que você vai se dar mal.

Solidão, meu amor está voltando,
Daqui a pouco está chegando,
me abraçando, todo meu”.

Sandra de Sá

Você concorda com a máxima, “Antes só do que mal acompanhado”? O fabulista Jean de La Fontaine afirmava que “bem melhor sozinho do que com tolos”. Já o pensador Paul Valéry dizia que “um homem sozinho está sempre em má companhia”. Quem está com a razão?

O “antes só do que mal acompanhado” parece triunfar sobre o “nenhum homem é uma ilha”. Como diz bem a letra da música do mestre Tom Jobim: “Fundamental é mesmo o amor. É impossível ser feliz sozinho”.

Acredito mesmo que, é impossível, numa sociedade como a nossa, alguém sobreviver por muito tempo sozinho. Viver só, pelo menos por muito tempo, não faz bem a ninguém, pois como já dizia o poeta: “A solidão é fera, a solidão devora”.

O isolamento, certamente, acaba aos poucos com a vida das pessoas, principalmente quando elas são privadas da convivência com outros seres vivos. Muitas das vezes, apenas um animal de estimação serve de companhia para os muitos dos solitários pelo mundo a fora.

Não é à toa que muita gente acaba procurando sempre a companhia de algum ser  para lhe fazer companhia e, com isto, espantar um pouco a solidão. Os animais de estimação lideram o grupo de acompanhantes existentes nos grandes centros.

É nas grandes cidades que a solidão, por incrível que pareça, está mais presente no cotidiano de todos. Pois, na maioria das vezes, existem pessoas que vivem cercadas de gente, mas mesmo assim se senti só em meio a multidão. Sabemos disso por experiência própria ou relatada que é possível, sim, sentir-se sozinho, continuam a se sentir solitária. Esteja em qual ambiente estiver, por exemplo: no trabalho, no transporte público, ônibus ou metrô, na ida e volta para casa, na escola ou faculdade.

Chega à noite, em família, não tocam quase nenhuma palavra. Quando acontecesse de fazer, as conversas são sempre superficiais e artificiais.  Muitas das vezes, acabam antes de começar.

As conversas, geralmente, começam com um simples cumprimento ou apenas um pedido de desculpas num esbarrão. A solicitação de dinheiro para as compras da semana e, geralmente, tudo encerra por ali.

Acredito que, de todos os tipos de solidão, a pior continua sendo a solidão a dois. Tudo acontece quando um casal não dialoga mais.

Isto acontece, geralmente, quando o casamento já está em crise e para a separação ser consumada basta apenas um passo. Mas por comodismos de ambas as partes, o casal vai levando aquela vida do jeito que está e se acostuma com a situação.

Até que um dos dois tem a coragem para partir para outro relacionamento no qual terá de volta a companhia completa de alguém que a compreenda, em que exista dialogo e, assim, partindo em busca da tão sonhada felicidade.

Mas podemos pensar que a solidão tem o seu lado bom, digamos assim. Pois é exatamente nos momentos de solidão que necessitamos de parar refletirmos sobre os nossos sentimos e comportamentos e até no refazimento de energias.

Provavelmente, chegará o dia na vida do mais solitário dos homens em que ele desejará a companhia de alguém que poderá ser até uma má companhia. Pois ele verá que está mal acompanhado, por pior que pareça é melhor do que viver totalmente sozinho.

Marcelio Oliveira (Para o Portaldenoticias.net)
Email: marceliojornalista@hotmail.com