No Brasil, 22% da população ainda se equilibra no limiar da pobreza

    favela-da-rocinhaParcela expressiva da nova classe média emergente permanece vulnerável a choques econômicos que podem empurrá-la novamente para a pobreza. No Brasil, a SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos), ligada à Presidência da República, tem tentado mensurar essa vulnerabilidade. Segundo a economista Diana Grosner, diretora da SAE, 22% da população brasileira pertence ao estrato mais baixo da classe média (dividida em três grupos), com renda familiar per capita mensal entre R$ 291 e R$ 441. “Essas pessoas são as mais vulneráveis a uma volta à pobreza e representam um número alto”, diz. Em estudo de 2009 sobre a expansão da classe média, o economista Martin Ravallion citou que 1 em cada 6 pessoas em países em desenvolvimento viviam com renda entre US$ 2 e US$ 3 por dia.  O autor considerou renda per capita de US$ 2/dia como limite entre a pobreza e a nova classe média em nações emergentes –valor em paridade do poder de compra de 2005, medida que elimina distorções de preço. Para Grosner, a inflação mais elevada e o aumento do endividamento representam riscos importantes para a nova classe média brasileira. Outra ameaça, segundo a economista, é o avanço da produtividade em ritmo muito menor que o dos salários. Segundo ela, isso pode fazer com que as empresas decidam repassar os custos maiores para os preços –pressionando mais a inflação– ou demitir.(Folha)