Nova Fátima – seca devasta animais, provoca redução de leite e êxodo rural

    gado-fomeO fogo que mata e queima o que resta de pastagem é também o fogo que ajuda a salvar os animais castigados pela seca no semiárido. O mandacaru e o xique-xique, cactos nativos da região, são o último recurso para alimentar o gado que agoniza sem comida e água para beber.

    O mandacaru é queimado para torrar os espinhos, mas a fome é tanta que o gado come o cacto ainda em chamas. É a desesperada luta pela vida na região sisaleira.  Vivendo esse drama, o município de Nova Fátima, que já teve um rebanho bovino superior a 12 mil animais e uma produção de leite acima de 25 mil litros/dia, hoje está restrita a 4 mil.

    Outro fator preocupante é o êxodo urbano e rural, provocado pela saída de jovens em busca de trabalho em outros estados, o que tem causado um colapso sem precedência à economia local, por causa dos efeitos da estiagem que se abate sobre a área há quase três anos. Nova Fátima conta com 1.400 pessoas cadastradas na Bolsa Família e sete carros-pipa do Exército no abastecimento de 19 comunidades.

    Seca3“O município está arrasado: motores parados, sisal dizimado, rebanho bovino reduzido em 40% e não há água e pastagens. Seria muito bom se conseguíssemos alguma obra para que pudéssemos empregar as pessoas que não tem o que fazer na roça. Estou de cabeça quente e perdido, sem saber o que fazer. A administração está praticamente parada nesses primeiros 100 dias de mandato. Dos oito mil habitantes do município, na sede tem 5 mil morando em Nova Fátima. A base econômica está restrita ao funcionalismo municipal, estado, aposentados e Bolsa Família. Nova Fátima está se tornando uma cidade de velhos e “fantasma”, por conta da saída dos jovens que estão fugindo para São Paulo, Fortaleza, Mato Grosso (colheita de cana), Salvador e Camaçari, em busca de trabalho e os que estão ficando aqui, são as mulheres e os velhos”, relatou à Tribuna o prefeito Amado Moreira da Cunha (PR).

    O gerente do posto de refrigeração de leite da empresa Laca, Raimundo Carneiro da Cunha, que trabalha no ramo há 24 anos, disse que na época áurea, Nova Fátima, foi considerada uma das principais bacias leiteira da região e tinha uma produção diária superior a 25 mil litros de leite e hoje esses números não chegam a 4 mil.

    mandacaruO mesmo acontece com a unidade de refrigeração que antes recebia cerca de 5 mil litros do produto/dia e agora não passa de 300. Já o administrador da Fazenda Poço da Pedra, Paulo Celso Cunha Ferreira, revelou que a propriedade que já teve mais de 300 cabeças de gado e já chegou a comercializar quase 400 litros de leite/dia, agora não vende 40 e lembra que a perda de animais na propriedade tem sido significante e só tem mandacaru como ração.

    A agricultora Luiza Carneiro, Fazenda Lagoa de Dentro, disse que a situação é preocupante e está dando o cacto, xiquexique queimado para o rebanho bovino que já foi de 60 cabeças e hoje não passa de 20. Ela relata que as pastagens estão dizimadas e a única fonte de alimentação para o rebanho tem sido o xique-xique e mandacaru. Ela diz ainda, que já chegou a vender a arroba de boi a R$ 120 e agora não acha R$ 80.

    Para a doméstica Raimunda Lopes Carneiro, 71 anos, moradora da Fazenda Ingazeira, a seca está braba e água para os animais só existe nos poços no leito do rio Jacuípe, assim mesmo com alto teor de salubridade. A também moradora da Fazenda Ingazeira, Maria Olívia da Silva Machado, 47 anos, mãe de três filhos, relatou que tem a Bolsa Família, como complemento da renda familiar e que há mais de dois anos que o rio Jacuípe deixou de ser corrente.

    Fonte: Pedro Oliveira – Tribuna da Bahia /Sucursal Coité