Relato de jovem após perder o namorado em trágico acidente gera comoção nacional

O emocionante desabafo da jovem Giulia Rinolfi, namorada de João Vitor Macedo, 19 anos, jovem paulistano que perdeu a vida de forma trágica após ser atropelado por uma carreta em Marília (SP), no último domingo (27), tem emocionado milhares de pessoas nas redes sociais.

Em seu relato, Giulia fala sobre o que aconteceu antes da tragédia. João Vitor teve a moto arrastada por um caminhão e não resistiu aos ferimentos.

De acordo com Giulia, seu namorado estava a caminho de sua casa para irem a igreja. Com a demora, ela ligou várias vezes para o celular dele, que não atendia. “Comecei a notar muito a sua ausência e, depois de ligar quatro vezes, a preocupação bateu forte. Liguei para o meu sogro e fomos procurá-lo. Após buscas por dois hospitais da cidade, encontramos um local perto de sua casa onde havia acabado de acontecer um acidente. Não entrarei em detalhes, mas ele chegou ao Hospital das Clínicas já sem vida”, escreveu.

relato de giulia rinolfi namorada do jovem joao vitor macedo viralizou na web
Foto reprodução Facebook

 

Ela foi a primeira a chegar ao local e reconheceu os pertences de João Vitor, inclusive a aliança amassada. Giulia cita trechos de uma carta que escreveu no aniversário de três meses de namoro do casal. “Será desta forma que eu me lembrarei de você meu amor, sorrindo, e rindo até sua barriga doer por alguma palhaçada que fiz, ou por citar nossas piadas internas. Costumávamos fazer nossas promessas de ”dedinho” e fiz uma enquanto me despedia. Só quero que saiba que vou cumprir a cada dia, meu amor! EU TE AMO MUITO! Me espera, tá?”, acrescenta.

marilia

Foram mais de 29 mil comentários deixados no texto, em solidariedade à jovem.

Leia o texto:

Oi minha vida!

Foi assim que te chamei da última vez que nos falamos, mais especificamente na tarde de domingo, antes de todo esse pesadelo acontecer! Lembra sexta, quando você estava tentando me contar que tinha conseguido a vaga de estágio na Sasazaki, e eu ignorantemente fiquei uns 5 minutos só reclamando do meu dia, e você (como de costume) tentando desvendar o motivo pelo qual estava reclamando tanto? (eu tinha uma mania de reclamar sob alguma situação, sem falar o por que da ”revolta”) e por incrível que pareça, ele sempre dava um jeitinho de me fazer desabafar e ainda me arrancava um baita sorriso. E foi desta mesma forma que passamos nossa sexta-feira depois da faculdade, sentados no tapete roxo do meu quarto conversando sobre nosso dia, e pela primeira vez me vendo chorar, tecnicamente meu amor, não parei de chorar desde a primeira vez que viu escorrer uma lagrima dos meus olhos! A única diferença, é que nas últimas 12 horas, eu não tive tua mão sobre o meu rosto enxugando-as! Eu já não sei mais da onde recolherei forças para confortar tamanha tristeza! Ontem não perdi só meu namorado, perdi minhas estruturas, minha resistência, meu refugio pros problemas, o colo aconchegante no meio da bagunça entre o caos, e uma das maiores e principais razões para a minha felicidade. ”Nossa Giu, que fatalidade, né? Como foi que aconteceu”. Para os poucos que ainda não sabem, ele estava vindo para a minha casa para irmos juntos a igreja, havia saído as 18hrs (após o jogo do SP, no qual ele é fanático), entreguei meu celular para a minha irmã, que estava na sala, e pedi para abrir pra ele quando chegasse enquanto tomava banho, meia hora depois (já estava pronta) comecei a notar muito a sua ausência e depois de ligar 4 vezes pro seu celular, a preocupação bateu fortemente, liguei para o meu sogro, e depois de algum tempo sem noticias sobre ele, fomos pelo caminho procurá-lo! Depois da busca por dois hospitais da cidade, encontramos um local perto de sua casa onde havia acabado de acontecer um acidente, não entrarei em detalhes, mas ele já havia chego ao hospital das clinicas sem vida! Fui a primeira a chegar lá, e a primeira a reconhecer os pertences, entre eles, sua aliança amaçada na mão da médica. Coloquei este vídeo, por que será desta forma que eu me lembrarei de você meu amor, sorrindo, e rindo até sua barriga doer por alguma palhaçada que fiz, ou por citar nossas piadas internas, ou, por ter acabado de tomar um soco no braço por que vi um fusca azul antes que você.

Terça passada havíamos feito 3 meses, e te fiz uma carta, quero dedicar um trecho dela aqui, pois foi o que mais nos resumiu durante todo esse tempo.

”Me ignorou, me enrolou, me arrancou um beijo, cem mil sorrisos, cem mil motivos para acreditar em felicidade, cem mil razões pra ‘’lutar’’ por você, me arrancou força de vontade pra continuar o dia mesmo que ainda fosse 10 da manhã e o mundo já tivesse desabado sobre a minha cabeça, me arrancou o silêncio quando eu reclamava da vida sem saber que ela era tão boa, me arrancou broncas por eu xingar demais, reclamar demais, surtar demais, me arrancou cósquinhas quando eu simulava estar emburrada, me arrancou muito carinho e mimo quando eu entrava em crise de ciúmes, me arrancou o chão e me proporcionou suas estruturas quando me sentia vazia, me arrancou o coração quebrado e colocou o seu no lugar, me arrancou todo caos e problemas familiares nos quais me perturbam tanto, e deu mais uma família pra cuidar de mim, me arrancou um espaço no dedo da mão direita pra provar o teu amor! E sempre vai ser assim meu amor, eu jamais vou deixar de recordar o bem que você me fez, e a paz que me trouxe! Quero agradecer a todos os parentes, amigos, e conhecidos, no qual marcaram sua presença ontem no seu enterro, agradeço também ao carinho que a coordenação da Unimar, Atl P Unimar, Dori, Sasazaki, Mega Center, e os membros Torcida Independente Marília Sub Sede demonstraram ontem. Costumávamos fazer nossas promessas de ”dedinho”, e ontem, fiz uma enquanto me despedia, só quero que saiba que vou cumprir a cada dia meu amor! EU TE AMO MUITO! me espera, ta?