Rui Costa avalia as eleições e diz que penas do mensalão são exageradas

    Rui Costa secretario da casa civil gov divulgacaoO secretário da Casa Civil, Rui Costa, um dos nomes cotados para concorrer ao governo da Bahia em 2014 pelo PT, concedeu entrevista ao jornal Tribuna da Bahia desta segunda-feira (19). Ao analisar o resultado das eleições, Costa comentou: “eu acho que no estado a expressão do desejo popular foi de afirmação desse projeto que conduz o Brasil e que conduz a Bahia. Esse projeto político, econômico e social teve uma vitória expressiva na ordem de 330, 340 prefeituras sendo dessa base política do governo, então uma ampla vitória desse projeto político no conjunto do estado”. Sobre Salvador, o petista ressaltou que diversos fatores contribuíram para a vitória de Neto e ressaltou que não foi uma derrota, já que a gestão não era do PT.

    Falando sobre obras estruturantes, Rui Costa falou sobre o metrô: “Nós estamos saindo com o edital de licitação na modelagem parceria público-privada. Nós estamos nesse momento aguardando a assinatura da prefeitura no documento que formaliza a transferência ao estado da linha 1”. O secretário deu prazo para o início das obras da linha 2 do metrô: “se o cronograma da licitação for todo ok, no mês de abril nós estaremos assinando o contrato da parceria público-privada e, portanto, imediatamente iniciando as obras”.

    Voltando a falar de política, Costa comentou que os governos estadual e federal não vão dificultar a vida de ACM Neto (DEM) na prefeitura de Salvador: “Eles (Dilma e Wagner) têm o estilo de fazer parcerias e obras em todos os municípios, independente da filiação partidária. Diferente até do que se fez no passado na Bahia. Se o prefeito de Salvador quiser fazer da prefeitura uma trincheira política, evidente que aí a relação será de disputa política. A opção, portanto, não está no governo, está colocada para o prefeito eleito da cidade, a ele caberá fazer a escolha”.

    Rui preferiu não falar sobre os partidos que logo após as eleições já demonstraram fome por mais espaço no governo, a exemplo do PDT e PSD: “Atualmente eu não cuido da política, eu cuido da gestão e quem é o responsável por essa arquitetura da política é o secretário Cézar Lisboa. Portanto, até por respeito a ele, eu prefiro não especular muito sobre composição dos aliados e composição do governo”. Mas falou genericamente: “Eu fico aqui com a resposta do governador. Ele disse que não fará uma reforma para recompor politicamente o governo e sim mudanças pontuais onde ele entende que é necessário melhorar a gestão ou atender essa ou aquela representação política que não está representada”.

    Quando o assunto foi sucessão em 2014, o secretário preferiu não supervalorizar o próprio nome: “é bom que o PT e que os partidos aliados tenham nome. Não é só o PT que tem nome, nós temos outros partidos que têm nomes cogitados também. (…) Mas eu diria que a minha cabeça está voltada para a gestão e para a organização do governo”. Questionado sobre declarações do governador Jaques Wagner (PT) de que os nomes de José Sérgio Gabrielli e o do próprio Rui Costa seriam seus prediletos, ele dispara: “Eu nunca vi o governador falar isso”.

    Falando sobre o polêmico mensalão e suas condenações, Rui Costa considerou as penas exageradas: “A tese que eu acredito é que foi estruturado um financiamento de campanha para a base aliada, uma estrutura que se mostrou desastrosa, equivocada, e, infelizmente, me parece que utilizando de maneira indevida a captação de recursos irregular e ilegal. Repito: eu acho que as penas me parecem exageradas para o tipo de erro cometido, mas a quem cabe imputar as penas é ao Judiciário. Fica o ensinamento de que nós precisamos aprovar uma reforma política”.

    O petista citou várias obras que devem estar prontas até o início da Copa de 2014: “o complexo de viadutos do Imbuí e de Narandiba que nós vamos licitar agora e vai estar, sim, pronto para a Copa do Mundo. Nós vamos licitar a Pinto de Aguiar e a Orlando Gomes, que nós queremos que também estejam prontas para a Copa do Mundo, e também a Gal Costa e a 29 de Março, que, se não totalmente, em boa parte dela, nós queremos já estar pronta para a Copa do Mundo. O metrô, nosso trabalho é no sentido de a linha 1 estar funcionando na Copa do Mundo e que nós tenhamos algumas estações também da linha 2 operando. Nós precisamos cumprir e ser rigorosos com o calendário para que esse objetivo seja atingido”. (Bocão News)