MEDO DE TUDO – MEDO DO CORONAVIRUS, DO CONTATO, DAS PESSOAS…

1
140

medo 1A pandemia fez o medo – do vírus, de gente, do futuro – se espalhar. E a abertura gradual, sem cura ou vacina, complicou tudo. E agora?

Desde que o coronavírus surgiu, Maria Marques, 45, vive com medo. “Tenho medo até de abrir a porta de casa”, diz a pernambucana, que mora com a mãe em Perus, periferia de São Paulo. Afinal, a doença apareceu na TV há alguns meses, ganhou a cidade e logo alcançou seu círculo íntimo. “Perdi amigas jovens, que de repente foram pro hospital e morreram”, diz. “Antes eu dormia mal. Agora não durmo mesmo.” Acostumada a acordar às 5h30 para trabalhar como babá, ela sente falta da rotina, das crianças: teme pela vida delas – e pela sua. “Agora vivo trancada em casa, morrendo de medo.”

Sentimento inerente ao ser humano, o medo tem pé no instinto. “Sem ele, a espécie teria desaparecido, pois os destemidos morrem mais que os medrosos”, diz o psiquiatra Tito Paes de Barros Neto, pesquisador do Instituto de Psiquiatria da USP e autor do livro “Sem Medo de Ter Medo” (Segmento Farma, 2016). Mas quando ele se exacerba, causando sofrimento constante e impactando a vida, dá lugar à ansiedade patológica, à fobia, ao pânico. “O medo leva a um constante estado de alerta, o que afeta o sono e a alimentação, bagunça corpo e mente.”

O temor do coronavírus ocasionou, nos últimos meses, uma alta no número de pacientes em busca de ajuda

O temor do coronavírus ocasionou, nos últimos meses, uma alta no número de pacientes em busca de ajuda – Barros deixou suas pesquisas de lado para focar neles. “Muitos estão desesperados com a Covid”, diz. “Alguns reapareceram depois de anos, outros estavam bem e pioraram. Um deles me liga seis vezes por dia: de tanto medo de morrer, acabou indo ao pronto-socorro e voltou com medo de ter pegado a doença. Chegou a escrever um testamento.” Antes, diz, sua ansiedade estava controlada. “A pandemia foi o gatilho que deflagrou a crise.”

Marques sabe bem o que é isso. Ela teme a violência (testemunhou diversos assaltos onde mora) e o escuro: só dorme de luz acesa. Sem falar de sapo — ela tem pavor do anfíbio. “Se vejo um, saio correndo.” Mas agora teme sair de casa ou travar qualquer relação. Tanto que desmarcou a consulta para tratar a insônia. “O consultório fica no hospital, que é onde se pega a Covid. E eu morro de medo.”

Uma epidemia de medo?

A pandemia virou o grande tema de conversas e pensamentos, habitando tanto a socialização nervosa quanto a amedrontadora solidão. Dias atrás, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) fez uma enquete entre os associados, perguntando se haviam detectado aumento na demanda. “75% respondeu que sim”, diz Cláudio Martins, vice-presidente da ABP. “É um retrato observacional da situação atual. Fora que a pandemia está presente em todas as consultas que eu faço.”

Tanto que muitos psiquiatras que consideravam reduzir a medicação de pacientes desistiram, afirma Daniel Kupermann, professor livre docente do Departamento de Psicologia Clínica da USP. “A procura de atendimento no período aumentou muito. Eu diria que 90% de quem já fazia terapia seguiu de forma virtual, e muita gente que nunca fez está começando já de forma remota. Estamos trabalhando muito mais.”

“Com a pandemia, há um cenário de estresse ambiental concreto, a sensação de perigo é real, então o medo não é por acaso”

Tal reação se justifica. “Com a pandemia, há um cenário de estresse ambiental concreto, a sensação de perigo é real, então o medo não é por acaso”, afirma o psiquiatra Jair Mari, professor titular e chefe do Departamento de Psiquiatria da Unifesp. “A pandemia é um dos eventos psicológicos mais importantes que a humanidade já enfrentou.” Mas a resposta emocional, psíquica, não é homogênea.

Para Kupermann, há ao menos quatro grupos lidando de forma diversa com o medo. “Primeiro, há os negacionistas, que ignoram a doença e pretendem não ter medo.” Vide o descaso no Rio, com pessoas se aglomerando nos bares. “Eu os chamo de os destemidos do Leblon”, ironiza Barros. “São pessoas que negam esse medo que salva, alimentadas pela arrogância.”

Há um cenário de estresse ambiental concreto, a sensação de perigo é real, então o medo não é por acaso. A pandemia é um dos eventos psicológicos mais importantes que a humanidade já enfrentou

Segundo, há quem tem certo medo, mas pode se proteger, fazer home office, seguir orientações: nem ignoram os riscos, nem mergulham no medo. Já um terceiro grupo, bem maior, é composto por quem se vê obrigado a sair para trabalhar – às vezes em ônibus e trens lotados. Estes precisam sublimar o medo, enfrentá-lo para sobreviver. Mas ele cobra um preço depois. Mari, por exemplo, prevê que o pior está por vir. “Estamos vivendo outra epidemia paralela, essa de ordem mental.”

É onde entra o quarto grupo: os que se hipersensibilizam com a situação. “São pessoas que vivem uma luta perene com esse estresse contínuo, como um elástico que se estica e não retorna”, diz Kupermann. Quase 10% dos brasileiros sofrem com ansiedade: são esses os mais vulneráveis, que encontram na pandemia o gatilho do sofrimento.

“A Covid-19 sozinha não acarreta a patologia”, pondera Martins. “Mas a gente incorpora da pandemia os impactos biopsicossociais.” Ele conta ter atendido há alguns dias um senhor com a doença. “Ao saber, o prédio todo entrou em pânico”, diz. Ali viviam basicamente idosos, já angustiados desde o início da pandemia. “Com o caso, porém, todos ficaram, literalmente, com medo. Entraram em pânico.”

Todo mundo em pânico?

Medo 2O medo é útil: ele prepara o organismo para enfrentar o perigo — lutar ou fugir, diz o psicólogo Thiago Sampaio, do Programa Ansiedade do Instituto de Psiquiatria da USP. Ele cita o neuroendocrinologista Robert Sapolsky, autor de “Por Que as Zebras Não Têm Úlcera?” (Francis, 2008). “O sistema simpático, que produz adrenalina, é ativado para garantir a sobrevivência numa situação de perigo”, diz. “É assim que a zebra, ao sentir a presença do leão, foge em disparada. “Na ausência do objeto fóbico (o leão), ela volta a pastar tranquilamente.

Já uma pessoa ansiosa reage fisiologicamente como se estivesse com o leão sempre na cola – o que impacta o organismo, causando pressão e colesterol altos, baixa imunológica, problemas cardíacos, e, claro, a úlcera que batiza o livro. “A ansiedade pode ser mais nociva e causar mais sofrimento que o medo concreto, porque ela é crônica”, diz Sampaio. O que chamamos de medo é, muitas vezes, um quadro ansioso oriundo de um medo difuso que se transforma em angústia permanente.

“O medo tem um objeto localizável”, diz Kupermann: temos medo de aranha, de ser assaltados por um desconhecido. “Mesmo um medo patológico, como a fobia de avião, tem um objeto, que tentamos em vão controlar.” A angústia, não: é um mal-estar causado por um desamparo associado à incerteza – exatamente o que vivemos hoje. “Tenho atendido muitas pessoas, sobretudo idosos, que se sentem ameaçadas por essa abertura gradual, que ocorre mesmo sem o controle da pandemia.”

“Num mundo paralelo atual, vivemos um desencontro de versões sobre a realidade, um dissenso de condutas, um desmentido permanente, uma confusão de línguas que gera angústia”

Já o pânico é o medo generalizado que subjuga o indivíduo. “É o medo de ter medo, que age como uma ansiedade de antecipação”, explica Barros. “Quem tem pânico teme ter novos ataques, é um medo recorrente, uma ansiedade constante.” Socialmente falando, seria o desespero produzido pela falta de orientação, pelo sentimento de não ter com quem contar, diz Kupermann. “Qual o objeto do pânico? É ter de se salvar sozinho.”

Freud, por exemplo, usa o exemplo do navio afundando: o capitão precisa ser o último a partir, pois sua fuga acarretaria a falta de orientação, de certeza  – o pânico. “Num paralelo atual, vivemos um desencontro de versões sobre a realidade, um dissenso de condutas, um desmentido permanente, uma confusão de línguas que gera angústia”, diz Kuperman. Nessa Babel, a falta de referências e autoridade gera pânico.

Medo do vírus, medo de gente

O medo de se contaminar gerou debates que soariam engraçados em outro contexto. Na ausência de certezas, virou OK lavar o detergente com detergente — e o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) se tornou assunto corrente. Psiquiatras sérios hesitam em atribuir aumento de casos à pandemia. Mas fato é que Maria Marques, que nunca teve diagnóstico, se pegou passando álcool na torneira após lavar as mãos.

Seu medo desproporcional do germe se deve também à relação das duas filhas com hospitais. Uma está grávida de quase nove meses. “Estou com medo porque ela vai ao hospital ter o bebê, e é onde se pega o vírus”, diz. A outra trabalha na administração de um hospital – ela também tem medo, tanto que fez um banheiro na garagem, no andar de baixo, para todo mundo que chegar da rua tomar banho, diz Marques. “Ninguém sobe sem se banhar e trocar de roupa.”

O receio de se contaminar afeta também a sociabilidade. “Se estou com medo de gente? Claro que sim”, desabafa Marques. “Se a gente encontra alguém na rua, tem medo de cumprimentar. Na hora penso: será que ela tem? Não tem como saber.” Sem testes confiáveis, cada relação, mesmo a dois metros ou de máscara (no mercado, no transporte público, na visita daquele familiar) se torna uma roleta russa. “Por isso estou trancada dentro de casa. Só saio obrigada, e de máscara e luva.”

Para a psicanálise, o outro é uma ameaça, diz Kupermann. “O medo tem a ver com controle. Se não se sabe se o outro tem o vírus, se está se precavendo, como o inimigo é invisível, o medo do outro ganha outro contorno.” Pois o medo suscita ignorância e vice-versa. “Há uma desconfiança do outro — vide os profissionais de saúde hostilizados a caminho do trabalho para salvar vidas”, diz Mari. É quando o medo desemboca na agressividade. “Medo e ignorância andam juntos.”

“Se eu estou com medo de gente? Claro que estou. Se a gente encontra alguém na rua, tem medo de cumprimentar. Na hora penso: será que ela tem? Não tem como saber. Por isso estou trancada dentro de casa”

Para o advogado e funcionário público Samuel Clementino da Costa, 35, negro e corredor, o medo é uma constante anterior à pandemia. “Tomo toda precaução possível quando saio pra correr”, diz. “Quando morava em Perdizes, bairro elitizado e branco [de São Paulo], só corria com trajes bem esportivos, com camiseta e tênis e tudo o que passasse a leitura de que sou corredor. Pois a lógica é: tá correndo por quê?”

A pandemia trouxe ainda outro medo de gente, mas inverso: o medo de si próprio. “Não tenho tanto medo do vírus para mim, tenho medo de eu mesmo ser a doença e contaminar minha mãe.” Antes de cada visita, ele faz um isolamento de 14 dias. “Mas daí penso, de noite: e aquela vez que fui comprar cigarro? E o medo volta.”

Medo de gatilho, medo do futuro

Tanta incerteza explica por que muita gente busca nas notícias alguma garantia sobre o futuro: no afã de obter alguma certeza, os ansiosos saem à caça de informações. Mas cada fonte diz uma coisa, então a busca de versões traz novas dúvidas e assim por diante. “O que pode gerar uma compulsão que não agrega nada, mas mantém a pessoa em contato contínuo com o estímulo estressor”, diz Sampaio. E o excesso de estímulos acaba alimentando o medo pandêmico.

Costa chegou a seu limite no consumo de informações — sobretudo em relação aos impactos sociais. “Era compulsivo, eu ficava dando F5 pra atualizar, nem o jornal dava conta da minha compulsão”, diz. “Eu queria saber o que vai ocorrer na economia, como será esse pós-guerra da pandemia. Meu maior medo é esse: a miséria que espera os mais vulneráveis. Medo do futuro, sabe?.” Até que decidiu parar de ler notícias. De vez. “Me fez bem. Estou lendo mais livros, menos paranoico. É uma melhora pela ignorância, eu sei. Mas não me arrependo.”

Tal “medo de gatilho” (inerente às notícias) se justifica, diz Sampaio. “Poucas são as informações úteis que a pessoa vai encontrar nesse looping. Minha sugestão é: escolha um meio de se informar e fique só com ele.” Afinal, ficar sempre conectado consumindo notícias nos deixa num estado de alerta que impacta a saúde mental. “Ficar sempre ouvindo que a cada dia morrem no Brasil, de Covid-19, o equivalente a cinco aviões lotados de gente caindo hipersensibiliza”, diz Martins.

A doença bagunçou o cotidiano, mas o hábito produz uma sensação de controle, o que reduz a angústia. A saída para lidar com o medo é criar novos desejos de existência, novos projetos e rotinas

Kuperman diz que o medo e a ansiedade tendem a nos levar à fuga — seja para a ficção (mergulho nos prazeres imediatos), seja para a doença (mergulho no real exacerbado). “Freud dizia que existe os princípios de realidade e prazer, e não se pode ficar subjugado a só um”, diz. “O equilíbrio evita a intoxicação do aparelho psíquico pelo real.” Mas como? Primeiro, diz, é importante efetuar uma higiene dos tempos: do cuidado, do trabalho, da família, dos amigos – cada coisa em seu tempo.

Segundo, é vital ter objetivos factíveis. “O que dá medo do futuro é justamente não poder fazer projetos”, diz Kuperman. Como a doença bagunçou o cotidiano, é preciso retomar algum controle sobre a vida – é o hábito que produz essa sensação de controle, o que reduz a angústia. Projetos são o antídoto do medo: sem eles, a angústia toma conta e o futuro se torna ameaçador.” Como a pandemia não tem prazo, a saída para lidar com o medo é tentar criar novos desejos de existência.

Dias atrás, Maria Marques foi convidada pela família para a qual trabalha para passar uns dias no sítio. Todos fizeram teste para coronavírus. Ela estava com medo, mas aceitou. “Quando vi os meninos, poder abraçar e beijar, quase chorei”, diz. “Caminhei, fiquei sem ver notícia, brinquei com as crianças… tive minha vida de volta.” Foi uma pausa necessária no medo. “Até que cheguei em casa, abri o portão e estava de volta ao calabouço.” O medo voltou quando a porta de casa fechou. 

Fonte: https://gamarevista.com.br – Colaboração Andrea F. dos santos

 

Blog do Florisvaldo – Informação Com Imparcialidade – 27/07/2020

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Alem dos relatos, eu acrescentaria mais um que está me incomodando:
    Atualmente eu tenho medo de ter medo, pois sito pode trazer outras consequências.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.